Lagarde vai ter vida difícil no BCE. Estes são os 3 maiores desafios

Atuar numa união monetária incompleta, a redução significativa da margem para aplicar instrumentos e a falta de compreensão do que é a nova "economia normal" são os principais desafios de Lagarde.

Após a escolha de Christine Lagarde para presidente do Banco Central Europeu (BCE), muitas questões têm surgido sobre qual será a sua habilidade para gerir a política monetária da Zona Euro, tendo em conta não ser economista de formação e a falta de experiência em política monetária. Enquanto esses temas são discutidos, o Bruegel decidiu dar “uma ajudinha” a Lagarde na nova missão. O “tanque de pensamento” europeu especializado em economia, compilou aqueles que considera serem os três principais desafios que a francesa vai enfrentar no BCE. Mas não se ficou por aí.

O organismo independente presidido pelo ex-presidente do BCE — Jean-Claude Trichet — avança ainda com recomendações para a futura responsável pela condução da política monetária do espaço do Euro. Fique a saber quais são esses desafios e o que Lagarde pode tirar da “caixa de ferramentas”.

Desafios para o BCE sob uma nova liderança assentam em três temas:

1. Atuar numa união monetária incompleta

O Bruegel começa por salientar que os responsáveis do BCE “vão continuar a operar numa união monetária incompleta”, avisando que perante uma eventual futura recessão o “espaço de manobra com as ferramentas atualmente disponíveis será consideravelmente mais limitado”. Com vista a reduzir este risco, diz que será necessário que Lagarde assuma “um papel ativo” nas reuniões do Eurogrupo, com vista a que as políticas orçamentais dos diferentes Estados-membros sejam alinhadas entre si, mas também com a política monetária. Mas deixa outro aviso: que simultaneamente o BCE assegure a sua “independência da pressão política” com vista a que cumpra aquele que é o seu mandato.

Outro entrave identificado pelo Bruegel recai sobre a “pontualidade” da tomada de decisão no seio do BCE, lembrando que a política monetária numa comunidade assente em muitos países implica que decisões como o quantitative easing possam ser atrasadas devido à dificuldade de serem implementadas politicamente. “O vosso desafio será assegurar respostas atempadas a choques“, diz, assim, aquele organismo.

A entidade liderada por Jean-Claude Trichet faz mira ainda à composição do conselho de governadores e ao processo de tomada de decisão do BCE. “Será um desafio para si conter desentendimentos de modo a que estes não minem as suas decisões”, avisa o Bruegel.

2. Redução significativa da margem para aplicar instrumentos

Enquanto considera que não há restrições ao aperto da política de juros, o Bruegel lembra que há um espaço limitado para aliviar ainda mais a política monetária, num contexto em que as taxas de juros nominais estão no nível mais baixo em mais de dois séculos, e provavelmente de sempre, e que a expectativa é de que os juros permaneçam em níveis muito baixos nas próximas três décadas. “É importante tentar entender os fatores económicos e financeiros por trás dessa situação, se é um fenómeno de curta duração ou se esse quadro de longo prazo é preciso”, salienta.

Neste contexto, o Bruegel considera que Lagarde, terá que confiar mais na gestão do balanço e menos nas mudanças na taxa de juro para lidar com uma eventual próxima recessão, algo que coloca dois desafios. O primeiro, diz, é que enquanto o quantitative easing ajudou a reduzir o risco de deflação, a compra de ativos é mais difícil de calibrar do que os cortes nas taxas, e os seus efeitos macroeconómicos também são menos claros. Em segundo lugar, refere que quando o BCE interrompeu as suas compras líquidas no final de 2018, tinha atingido o limite de 33% dos títulos soberanos para algumas jurisdições, que colocou em prática quando iniciou programa de compra de ativos soberanos. A existência desse limite, diz, reduz drasticamente o alcance das compras de ativos.

O organismo liderado por Trichet chama ainda a atenção para que taxas de juros persistentemente baixas podem levar as instituições financeiras a procurarem outras alternativas de rendimento, expondo-se a riscos excessivos. “Existe o risco, portanto, de que o BCE possa ver-se dividido entre querer elevar as taxas por razões de estabilidade financeira e, ao mesmo tempo, precisar mantê-las baixas para fins de estabilidade de preços”, refere o Bruegel.

3. Falta de compreensão sobre a aparência da nova “economia normal”

A falta de conhecimento sobre o que corresponde ao novo estado de equilíbrio é visto como mais um fator de incerteza. “Como pode decidir a sua resposta política se não sabe para onde está a ir?“, questiona o Bruegel, considerando que Lagarde irá muitas vezes ser confrontada com argumentos por parte da sua equipa que apontarão em sentidos diferentes.

A transformação digital, a emergência da China, as guerras comerciais e o risco do colapso do sistema multilateral apontam ainda para que “o passado não seja um bom indicador do futuro”, antecipa o organismo. “O seu desafio será navegar nessas águas, parcialmente no escuro, com vista a alcançar e manter a estabilidade dos preços e contribuir para a estabilidade financeira”, diz ainda a Lagarde.

Dos desafios… às recomendações

O Bruegel não deixa, contudo, Lagarde desamparada perante tantos desafios, indicando-lhe alguns caminhos com vista à prossecução da estabilidade. A principal recomendação é começar por rever o quadro da política monetária. “A sua nomeação como presidente e a renovação de dois terços do conselho de governadores entre 2018 e 2019 apresentam uma boa oportunidade para refletir sobre se a estrutura atual é adequada perante as incertezas do futuro”, sugere.

Neste sentido, sinaliza que a elevada incerteza, tanto em termos do ambiente em que o BCE terá de trabalhar, como das ferramentas disponíveis, “exige que a conceção da política monetária preste atenção à robustez e flexibilidade”.

Em termos da política monetária, recomenda que no caso de não haver progressos no sentido de atingir o objetivo de uma inflação de 2%, ou que a Zona Euro enfrente mesmo um cenário de recessão, o BCE “deve estar pronto a aplicar uma gama de instrumentos”.

Neste campo recomenda a manutenção de generosas operações de refinanciamento e de gestão de balanço na “caixa de ferramentas” de política monetária do BCE e que este esteja pronto para atualizar as restrições autoimpostas ao programa de compra de ativos (ou seja, o limite de 33% do emitente e/ou a distribuição da chave de capital) e/ou incluir outras classes de ativos nas suas compras, tais como empréstimos bancários e, possivelmente, ações.

Por último, que pondere começar a usar novas ferramentas potenciais, caso se mostre incapaz da recuperar e manter a estabilidade de preços. Injeções diretas de dinheiro na economia pelo banco central (ou seja, recorrer ao “helicóptero do dinheiro”) ou intervenções em outros mercados (por exemplo, no mercado de derivados de inflação) não devem ser descartadas, recomenda o Bruegel, sem deixar, no entanto, de apelar para que seja feita “uma avaliação cuidadosa”.

A entidade liderada por Trichet chama ainda a atenção para o “papel crucial” do BCE na arquitetura da Zona Euro e no garante das políticas em contextos em que prevaleçam outros tipos de incertezas, lembrando a força que o “whatever it takes” de Draghi teve nesse contexto.

O Bruegel lembra ainda o papel do BCE em promover a estabilidade financeira. “Embora não acreditemos que a política monetária deva ter como target direto a estabilidade financeira em detrimento da estabilidade de preços, o BCE tem um papel a desempenhar”, diz. Aí aconselha que aquela entidade contribua para o aprofundar das bases analíticas para as políticas macroprudenciais, como sendo a primeira linha de defesa contra a acumulação de riscos de estabilidade financeira. Apela ainda para que a cooperação com o Comité Europeu do Risco Sistémico seja reforçada nesse aspeto.

O BCE deverá ainda apresentar propostas para o estabelecimento de um melhor quadro institucional para a utilização de ferramentas macroprudenciais, de modo a que possa “agir de forma atempada e eficaz“.

O Bruegel recomenda também ao BCE que monitorize “cuidadosamente” o risco de estabilidade financeira na área do Euro, e que alerte as instituições relevantes responsáveis pela implementação de políticas macroprudenciais quando identificar sinais de acumulação de desequilíbrios financeiros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde vai ter vida difícil no BCE. Estes são os 3 maiores desafios

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião