Ursula von der Leyen, a ministra mais leal a Merkel, vai liderar a Comissão Europeia. É médica e defende um exército comum

Já com o título da primeira mulher a assumir a pasta da Defesa alemã, Ursula von der Leyen está no Governo de Merkel desde sempre e pode, agora, trocar Berlim por Bruxelas.

Os chefes de Estado da União Europeia (UE) já se alinharam e decidiram, finalmente, os nomes indicados para os cargos de topo das instituições comunitárias na próxima legislatura. O acordo coloca Ursula von der Leyen, atual ministra da Defesa da Alemanha, no cargo de presidente da Comissão Europeia.

Já com o título da primeira mulher a assumir a pasta da Defesa alemã, Ursula von der Leyen está no Governo de Merkel desde sempre e deve, agora, trocar Berlim por Bruxelas. Para já, ainda é preciso que Ursula von der Leyen seja votada no Parlamento por maioria absoluta.

Afinal, quem é Ursula von der Leyen?

Ursula von der Leyen tem 60 anos, nasceu na Bélgica e viveu nos Estados Unidos. Ao nível académico, Ursula tentou formar-se em economia, mas acabou por seguir medicina, área na qual é doutorada, chegando mesmo a exercer a especialidade de ginecologia. No seu currículo, consta também o facto de ser a primeira mulher a assumir a pasta da Defesa no Governo alemão.

Aliás, Ursula von der Leyen é a única ministra que se mantém desde o início no Governo da chanceler alemã Angela Merkel. O seu primeiro cargo foi, em 2005, como ministra dos Assuntos Sociais. Em 2010, foi eleita vice-presidente da CDU.

Com o mandato de Merkel a chegar ao fim, a ministra da Defesa da Alemanha chegou a ser apontada como a sucessora da chanceler alemã. Há quem a veja mesmo como uma espécie de eterna candidata a sucessora de Merkel.

Aposta na segurança e acolhimento dos refugiados

No currículo de Ursula von der Leyen é impossível não falar do facto de a responsável pela Defesa alemã ter sido uma das vozes ativas que defendeu, em plena crise dos refugiados, ser um erro comparar refugiados a terroristas. Em 2015, anunciou a mobilização de quatro mil soldados alemães para atuarem em caso de um grande fluxo de refugiados. Na altura, a Alemanha disse estar disponível para acolher 800 mil refugiados, quatro vezes mais do que em 2014 e um recorde na Europa.

Entre os temas mais quentes, Ursula von der Leyen tem dado especial atenção aos Estados Unidos da América (EUA). Em 2017, a ministra da Defesa da Alemanha rejeitou as acusações do Presidente Donald Trump, quando este disse que Berlim deve “vastas somas de defesa” à Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO) e aos EUA.

Ursula von der Leyen, citada pelo Politico, depressa se insurgiu. “Não há registo de dívidas registadas com a NATO”, disse, acrescentando que o compromisso financeiro de um país com a aliança militar não é a única medida. “Os gastos com a defesa também vão para as missões de manutenção da paz da ONU, para as nossas missões na Europa e para a nossa contribuição na luta contra o terrorismo do Estado islâmico”, recordou na altura.

Meses depois, ainda sobre o mesmo tema, Ursula von der Leyen rejeitou que o Governo alemão estaria a favorecer o Presidente Donald Trump, ao concordar em aumentar os gastos com a defesa para 2% do Produto Interno Bruto (PIB). A ministra, por outro lado, defendeu que o aumento destes gastos é necessário para a segurança da Europa, bem como para manter a sua palavra. “A Alemanha mantém sua promessa”, afirmou, na altura, acrescentando que os seus vizinhos europeus esperavam precisamente isso.

Defensora da criação de um exército comum

Outro dos temas que faz parte do percurso profissional de Ursula von der Leyen é a criação de um exército comum. No final do ano passado, a ministra da Defesa da Alemanha disse que a União Europeia precisa do seu próprio exército para uma melhor defesa dos interesses comuns europeus em situações de crise.

“O exército europeu, que protege a população da comunidade europeia, precisa, não apenas de militares bem equipados, mas também da vontade política de defender os interesses europeus caso surja uma crise”, referiu, na altura, citada pelo Hamburger Abendblatt.

As vozes contra Ursula von der Leyen

Martin Schulz, ex-líder do Partido Social-Democrata da Alemanha (SPD), foi um dos primeiros que se insurgiu contra a candidata Ursula von der Leyen para o cargo de presidente da Comissão Europeia. “Ursula von der Leyen é a ministra mais fraca do Governo”, afirmou, citado pelo Spiegel.

Já Sigmar Gabriel, do SPD, disse, ainda antes do anúncio de Tusk, que se a “chanceler vender o excelente presidente do Bundesbank, Jens Weidmann, permitirá o fracasso da ministra da Defesa”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ursula von der Leyen, a ministra mais leal a Merkel, vai liderar a Comissão Europeia. É médica e defende um exército comum

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião