Cabos enterrados nas zonas do incêndios não chegam a 100 km

  • ECO
  • 13 Julho 2019

Depois do fogo de Pedrogão, o Governo decidiu que os cabos aéreos de telecomunicações seriam substituídos por cabos subterrâneos. Só está cumprido 10% da meta anual.

O objetivo de enterrar 1.000 quilómetros de cabos de telecomunicações da Altice nos concelhos “com elevado grau de perigosidade de ocorrência de calamidades” como incêndios, até final deste ano, deverá ficar pelo caminho, conta o Público na edição deste sábado.

O jornal do grupo imprensa revela que apesar de existir um contrato entre a Infraestruturas de Portugal (IP) e a Altice aquele objetivo está longe de ser alcançado e apenas 10% da meta está cumprida.

Segundo a Altice (dona da Meo), o que há “são cerca de 100km de cabos passados em CTR [canal técnico rodoviário], mas que nem sequer estão ao serviço, uma vez que a Altice Portugal não consegue estabelecer ligações à sua própria rede”.

O Governo decidiu, através de uma Resolução do Conselho de Ministros, depois dos incêndios de 2017, converter o traçado aéreo em traçado subterrâneo dos cabos de telecomunicações. Depois dos fogos as populações ficaram algum tempo sem ligações porque os cabos arderam.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Cabos enterrados nas zonas do incêndios não chegam a 100 km

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião