Investimento da Vogue Homes faz renascer o Ateneu Comercial de Lisboa

Instalado no icónico Palácio dos Condes de Povolide, o Ateneu Comercial de Lisboa vai renascer ao fim de dez anos. E tudo graças à portuguesa Vogue Homes.

Está de portas fechadas há dez anos, mas já conta com mais de um século de história. O icónico Palácio dos Condes de Povolide, sede do Ateneu Comercial de Lisboa, está devoluto há vários anos, mas prepara-se para ganhar uma nova vida. Depois de um processo de insolvência, é um investimento da portuguesa Vogue Homes que vai voltar a abrir as portas deste clube, que vai ser totalmente reabilitado.

É num “elevado estado de degradação” que se encontra o Palácio dos Condes de Povolide, na rua das Portas de Santo Antão, em Lisboa. Foi casa do Conde de Burnay e, desde junho de 1985, é sede do Ateneu Comercial de Lisboa, clube com uma reputação ligada a eventos culturais e sociais.

Ateneu Comercial de LisboaHugo Amaral/ECO

Mas essa reputação foi-se perdendo com o tempo e, a partir de 2012, a situação financeira do clube foi-se agravando, tendo mesmo ocorrido um processo de insolvência que determinava a sua extinção. Contudo, os responsáveis avançaram com um plano de recuperação judicial, o que veio ditar uma nova esperança a esta associação centenária.

Após várias negociações com o Ateneu, apareceu um investidor que vai permitir manter ao clube “manter a sua presença e atividade”, revelou o Ateneu, em comunicado. O ECO sabe que o investidor é “um veículo de investimento, liderado pela Vogue Homes, que reuniu um conjunto de investidores, nacionais e estrangeiros, tendo ficado o Ateneu com o uso total do imóvel até que se iniciem as obras de reabilitação”. A empresa é portuguesa e tem em mãos vários projetos, a maioria na zona de Lisboa.

A solução encontrada “vai ao encontro das melhores expectativas, pois a alternativa era o clube ficar sem sede, fechar de vez e extinguir-se definitivamente“, diz Joaquim Faustino, presidente do Ateneu Comercial de Lisboa, citado em comunicado. “Com a aceitação da nossa proposta junto do atual parceiro e investidor local será possível manter a sede do Ateneu nas suas históricas instalações, preservar algumas das suas atividades lúdicas e associativas bem como manter todo o seu espólio”.

O responsável sublinha ainda que, com este investimento, todos os postos trabalho atuais serão mantidos e o histórico clube de Lisboa vai continuar proprietário de uma parte do palácio, “preservando a sua sede e com atividades lúdicas para os seus associados”.

A ideia, refere o comunicado, é “criar um espaço onde se possa expor o espólio de diversos clubes de bairro já desaparecidos da cidade de Lisboa”. Nesse sentido, a reabilitação do edifício vai assentar em três componentes: cultural, utilização pública e imobiliária e zonas verdes. Nesta última, uma parte do jardim do palácio vai ligar aquela zona de Lisboa ao jardim do Torel.

“Este é um projeto que nos é particularmente próximo por estarmos na presença dum edifício e de todo um conjunto tão emblemático na cidade e com o qual cada um de nós, lisboetas, tem uma relação de proximidade”, diz Ana Costa, arquiteta responsável pelo projeto de reabilitação, que classifica esta obra como um “desafio especial”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Investimento da Vogue Homes faz renascer o Ateneu Comercial de Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião