Espanhola MK Premium já comprou duas mãos cheias de edifícios em Portugal. Quer mais

A empresa espanhola adquiriu o 10.º edifício na capital por 1,5 milhões de euros, elevando para mais de oito milhões o total de investimento em território nacional.

É cada vez maior a presença de investidores internacionais em Lisboa, principalmente vindos do país vizinho. A contribuir para este peso está a MK Premium, empresa especializada em investimento imobiliário que acabou de comprar o 10.º edifício em Portugal. Localizado na zona do Marquês de Pombal, este imóvel com cinco apartamentos foi vendido por 1,5 milhões de euros. Em menos de um ano, estes espanhóis já investiram mais de oito milhões de euros no imobiliário português.

Aplicaram o primeiro capital em Portugal em junho do ano passado, em Vila Nova de Gaia, em dois edifícios situados na Rua Cândido dos Reis. Custaram, ao todo, um milhão de euros. Essas foram as primeiras de uma dezena de aquisições. “A nossa área de atuação passa pela compra de edifícios, de forma a aumentar o seu valor e perpetuar a sua história arquitetónica”, diz ao ECO Daniel Leiva, sócio fundador da MK Premium, acrescentando que em Lisboa e no Porto existem “muitas propriedades devolutas em zonas premium e a um preço muito competitivo”.

Daniel Leiva, sócio fundador da MK PremiumD.R.

A adaptação ao mercado nacional foi “quase imediata”. Desde a abertura dos primeiros escritórios em fevereiro, bastaram quatro meses para estar concluída a primeira aquisição. Meses depois aterraram na capital ao comprar um edifício em Marvila por 450 mil euros. A esses seguiram-se outros, nos quais se incluem 11 casas no famoso Pátio de Carrasco, em Alfama, onde foram investidos 2,25 milhões de euros.

Edifício no Marquês de Pombal comprado por 1,5 milhões de euros

No ano passado, no nosso primeiro ano em Portugal, adquirimos nove edifícios em Lisboa e no Porto e, este ano, queremos aumentar esse número, uma vez que são muitos os proprietários que nos têm contactado para que possamos dar um fim viável à sua propriedade”, explica Daniel Leiva. “Vamos focar-nos nas zonas centrais destas duas cidades mas, no Porto, também procuramos oportunidades nas zonas da Ribeira e de Gaia”.

E o número aumentou. Já são dez os edifícios dos quais esta empresa espanhola é proprietária em Portugal. A mais recente aquisições foi um edifício no número 29 da Rua Gonçalves Crespo, com 840 metros quadrados e “cinco amplos apartamentos, dois deles com acesso a um jardim privado”, anunciou a MK Premium, que desembolsou 1,5 milhões de euros nesta compra.

Uma das particularidades deste edifício, diz a empresa, são os apartamentos com áreas entre os 120 e os 130 metros quadrados. Contudo, o destaque vai para a “impressionante fachada, coberta por azulejos cor de terra, que nós pretendemos preservar”, dado que “faz parte da sua história”. Daniel Leiva refere que, devido ao facto de o edifício ter estado muito tempo desocupado, “deverá sofrer um árduo processo de reabilitação para melhorar o seu estado de conservação, tanto nas zonas comuns como no interior dos apartamentos”.

Investimento está quase nos nove milhões. Mas não fica por aqui

Feitas as contas, somam-se 8,65 milhões de euros investidos em imobiliário nacional — seis edifícios em Lisboa e quatro no Porto — mas este número vai aumentar. Os fundadores da MK Premium — que compra edifícios para arrendar ou para vender –, estão “bastante satisfeitos” com os resultados obtidos no primeiro ano em Portugal. Por esse motivo, “este ano vamos duplicar esforços e destinaremos 15 milhões de euros para a compra de ativos nas cidades onde atuamos: Lisboa e Porto”, revelou ao ECO Daniel Leiva.

“Portugal é um excelente mercado para investir (…) e, embora haja muitos players, existem importantes e interessantes oportunidades de negócio”. Esta foi a primeira compra do ano para a MK Premium, que garante que, nas próximas semanas, haverá novidades sobre novas aquisições, cujas negociações estão “muito avançadas”, tanto em Lisboa como no Porto.

Em março, a empresa entrou para o ranking anual do Financial Times das empresas europeias que mais cresceram. No FT1000, que engloba as empresas que tiveram um maior volume de faturação, a MK Premium aparece a meio da tabela na 399.ª posição, com um crescimento de 412% desde 2014. Encerrou 2018 com lucros de mais de 2,1 milhões de euros e um volume de negócios de 14,5 milhões de euros.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Espanhola MK Premium já comprou duas mãos cheias de edifícios em Portugal. Quer mais

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião