CNPD quer mudanças nas novas regras da reforma antecipada da Função Pública

  • Lusa
  • 19 Julho 2019

A entidade responsável pela proteção dos dados pessoais dos cidadãos está preocupada com as trocas de dados previstas na nova lei que alarga o fim do corte das reformas antecipadas.

A Comissão Nacional de Proteção de Dados (CNPD) recomendou ao Governo uma reformulação do projeto de decreto-lei que alarga o fim do corte das reformas antecipadas aos funcionários públicos com 60 anos de idade e 40 anos de descontos. O que preocupa a CNPD são as trocas (interconexão) de dados que o projeto de diploma prevê, para concretizar o acesso à aposentação antecipada daqueles beneficiários, sem ser aplicado o fator de sustentabilidade, de 14,67% este ano, em condições semelhantes às do regime geral da Segurança Social.

“Sendo certo que a interconexão [de dados dos pensionistas] não ocorre entre organismos públicos, mas sim entre ficheiros ou bases de dados, e estando em causa ministérios que dispõem de várias bases de dados, impõe-se a delimitação da interconexão em causa […] nas vertentes de necessidade e de proibição do excesso” de acesso aos dados, lê-se no parecer da CNPD, publicado na quinta-feira na sua página de internet.

A comissão diz ainda, no documento, ser “imprescindível” uma especificação no diploma do “concreto serviço que será responsável pelo tratamento de dados”, e cuja base de dados vai ser objeto de interconexão.

A CNPD critica ainda a ausência de um limite de tempo para a conservação dos dados pessoais dos pensionistas: “Verifica-se assim que a obrigação da Caixa conservar em arquivo todos os documentos do processo em formato digital não tem qualquer limite temporal em violação do princípio da limitação da conservação dos dados pessoais”, afirma.

O projeto de diploma que flexibiliza as reformas antecipadas da Caixa Geral de Aposentações (CGA), e sobre o qual o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social pediu o parecer da CNPD, foi aprovado em 27 de junho pelo Conselho de Ministros e enviado de seguida para consulta pública. Fonte daquele ministério, em declarações à agência Lusa esta sexta-feira, adiantou que o período de consulta pública vai terminar dentro de cinco dias, sendo depois “avaliados os contributos” recebidos no âmbito desta consulta, e o projeto de diploma segue novamente para o Conselho de Ministros, para aprovação da sua redação final, e depois para publicação em Diário da República.

Atualmente, em Portugal, a idade normal de acesso à reforma é de 66 anos e cinco meses, e, em idade inferior, a antecipação da pensão só pode ser pedida por quem tem 60 anos ou mais de idade e 40 anos ou mais de descontos efetivos, mas tem uma dupla penalização, através do fator de sustentabilidade (14,67%, em 2019) e da taxa de redução da pensão de 0,5% por cada mês de antecipação.

A idade de acesso à reforma sem cortes na função pública passou para os 65 anos em 2013 e em 2014 foi agravado o fator de sustentabilidade e indexada a idade de saída para a reforma sem cortes à esperança média de vida, sendo o novo patamar fixado nos 66 anos. Desde então, regista-se um aumento médio de um mês por cada ano, razão pela qual, este ano, é necessário ter 66 anos e cinco meses de idade para aceder à reforma sem penalização.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CNPD quer mudanças nas novas regras da reforma antecipada da Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião