Revisão da Lei Laboral aprovada com ajuda da direita

Os deputados aprovaram, esta sexta-feira, a revisão do Código do Trabalho. PS votou a favor, PSD e CDS abstiveram-se no texto final. Tensão à esquerda na votação do pacote laboral.

Um ano depois de ter sido aprovada na generalidade, a revisão do Código do Trabalho subiu, esta sexta-feira, a plenário para ir, pela última vez, a votos, tendo recebido “luz verde” do Parlamento. O PS votou a favor, PSD e CDS abstiveram-se. PCP, BE, Verdes e PAN votaram contra as alterações à Lei Laboral. Na votação houve protestos nas galerias.

Entre as medidas que foram aprovadas, esta sexta-feira, pela Assembleia da República está a limitação dos contratos a termo, o duplo alargamento dos contratos de muito curta duração, a fixação do número máximo de renovações dos contratos temporários, a eliminação do banco de horas individual, a criação de uma contribuição adicional para a Segurança Social a pagar pelas empresas que recorram a mais contratos a prazo do que a médio do setor que inserem e o alargamento do período experimental para jovens à procura do primeiro emprego e desempregados de longa duração.

Pelo caminho, ficaram várias das propostas apresentadas pelos parceiros políticos do Executivo de António Costa (nomeadamente no que diz respeito à contratação coletiva e ao trabalho por turnos), o que levou a comunista Rita Rato e o bloquista José Soeiro a atacar a posição dos socialistas, criticando a sua aproximação à direita.

Esta revisão do Código do Trabalho teve por base um acordo assinado na Concertação Social, no último ano, e que foi subscrito por todos os parceiros sociais, à exceção da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP). Em entrevista ao ECO, o presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) considerou que esse acordo foi honrado, apesar da “tentativa de desvirtuação” e das iniciativas de alguns grupos parlamentares (isto referindo indiretamente à esquerda).

Pedido de fiscalização sucessiva à vista

Não restou nada das propostas da esquerda neste processo“, disse José Soeiro do Bloco de Esquerda. Antes, também Rita Rato do PCP tinha lamentado o desfecho do processo legislativo do pacote laboral. Sete projetos da esquerda do PS foram rejeitados esta sexta-feira. “Hoje é um dia mau para quem trabalha”, defendeu José Luís Ferreira dos Verdes, e admitiu que se Marcelo Rebelo de Sousa não pedir a fiscalização preventiva, os Verdes estão disponíveis para com os restantes partidos à esquerda do PS pedirem no Tribunal Constitucional um pedido de fiscalização sucessiva.

Wanda Guimarães, do PS, respondeu ao BE. “Restou sim, porque o PS é de esquerda“. Disse ser “lamentável” que PCP e BE tenham chumbado algumas propostas dos socialistas e acusou a esquerda do PS de ter uma “conceção de sociedade lastimável”.

Clara Marques Mendes do PSD não desperdiçou a deixa, ao lembrar a deputada socialista que aqueles que têm uma conceção “lastimável” da sociedade foram os que estiveram ao lado do Governo nesta legislatura. Depois explicou que o PSD não defendia alterações, mas sublinhou que a proposta de lei do Governo nasce de um acordo em concertação social que depois foi alterado. “Só não enganou os parceiros sociais porque nós não permitimos”, disse. Argumentos partilhados pelos centristas. “Ainda bem que foram aprovadas as correções que propusemos”, disse António Carlos Monteiro.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revisão da Lei Laboral aprovada com ajuda da direita

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião