Estas são as três ameaças ao travão ao crédito do Banco de Portugal

Um ano após a entrada em vigor da recomendação do Banco de Portugal que visa criar limites à concessão de crédito às famílias, começam a surgir alguns sinais que criam reticências sobre a sua eficácia

A aceleração do crédito às famílias, em particular para a compra de casa, e os riscos que daí podem resultar levaram o Banco de Portugal (BdP) a agir. Há cerca de ano e meio, a entidade liderada por Carlos Costa anunciou uma recomendação aos bancos, onde estabelecia um conjunto de limites que estes deveriam respeitar na hora de dar crédito com vista a prevenir o sobreendividamento das famílias e riscos para a economia. A medida que passou a ser popularmente conhecida como o travão ao crédito entrou em vigor a 1 de julho do ano passado e surtiu alguns efeitos positivos. Contudo, recentemente têm emergido alguns sinais de alerta que ameaçam a eficácia daquela medida macroprodencial.

O primeiro balanço da implementação da recomendação foi feito no final de maio. Nessa ocasião, o BdP anunciava que a medida estava a ser seguida pelos bancos. A recomendação visa o cumprimento pelos bancos de limites ao LTV, taxas de esforço e maturidades dos empréstimos.

É possível concluir que as instituições implementaram a recomendação, embora com algum gradualismo”, referia o BdP no sumário executivo do primeiro relatório de acompanhamento macroprudencial sobre os novos créditos aos consumidores. Acrescentava ainda que “de uma maneira geral, as instituições estão a convergir para os limites previstos”.

Já antes, em abril, os próprios bancos no inquérito trimestral sobre o mercado de crédito assumiam já sentir o impacto do travão do Banco de Portugal ao referirem uma ligeira quebra da procura de crédito para a compra de casa nos três primeiros meses do ano.

Entretanto, surgiram alguns sinais que ameaçam colocar em xeque os esforços do regulador. Fique a conhecer os três principais.

Após travagem, concessão de crédito volta a acelerar

No seguimento da entrada em vigor do travão do BdP foi notório uma quebra na concessão de crédito. Contudo, os últimos dados disponibilizados pelo regulador da banca colocam reticências relativamente à manutenção dessa tendência.

Em maio, os bancos concederam 927 milhões de euros em empréstimos para a compra de casa. Esse montante não só interrompe um ciclo de quebras que já ia em quatro meses seguidos, como representa um disparo de 123 milhões de euros face ao valor disponibilizado em abril. É ainda o mais elevado desde junho do ano passado, o mês imediatamente anterior à entrada em vigor da medida macroprudencial do BdP.

O incremento da concessão não é ainda exclusivo ao crédito à habitação. Chegou aos empréstimos ao consumo, também alvo daquela recomendação. Em maio, os bancos e as financeiras concederam 671 milhões de euros em novos empréstimos para consumo. Trata-se do valor mais elevado do histórico do BdP cujo início remonta a janeiro de 2013.

Banca antecipa aceleração da procura de crédito

Não bastassem esses sinais de aceleração da concessão, como são os próprios bancos a antecipar um aumento da procura de crédito pelas famílias. Assumiram isso mesmo no último inquérito trimestral sobre o mercado de crédito cujas conclusões foram divulgadas nesta terça-feira. “No segmento dos particulares as instituições antecipam um aumento na procura de crédito à habitação”, é dito pelo BdP.

Trata-se de uma inversão de discurso face ao que antecipavam há três meses. Na altura, os bancos assumiam uma ligeira diminuição da procura de crédito para aquisição de habitação relativamente aos três primeiros meses do ano, para a qual teria contribuído a medida macroprudencial do BdP. Esperavam ainda que esse cenário se prolongasse para o segundo trimestre, o que não se confirmou tal como revelaram os bancos nesta terça-feira. A procura de crédito pelas famílias, pelo contrário subiu, com os bancos a atribuírem às baixas taxas de juros parte da responsabilidade por essa evolução.

Juros em mínimos históricos são para durar

As Euribor nunca estiveram em níveis tão baixos como atualmente, assumindo mesmo valores negativos, o que ajuda a alimentar o apetite das famílias portuguesas pelo crédito. E tudo aponta para que esse cenário não mude, nem tão cedo. Em meados de junho, o presidente do Banco Central Europeu (BCE), revelou estar disponível para novos estímulos, incluindo descida dos juros de referência, visando manter a economia europeia sobre carris. Tal pode acontecer já na reunião do BCE desta quinta-feira ou em setembro.

O mercado incorporou imediatamente o aviso de Draghi, com as Euribor a caírem para novos mínimos de sempre, e estendendo-se no tempo até ao final do primeiro semestre de 2024, o período em que esperam que os juros se mantenham negativos. São boas notícias para quem tem crédito e uma “cenoura” apetecível para quem pondera recorrer ao crédito.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estas são as três ameaças ao travão ao crédito do Banco de Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião