Agentes de execução estão no CCB para arrestar obras de arte de Berardo

O Tribunal decretou o arresto da coleção de quadros e obras de arte de Joe Berardo na segunda-feira. Agentes de execução estão no museu a fazer um levantamento.

O Museu Berardo tem esta quarta-feira visitantes diferentes do habitual. Agentes de execução estão a levar a cabo as diligências necessárias para dar seguimento à decisão do Tribunal que, segunda-feira, decretou o arresto da coleção de quadros e obras de arte de Joe Berardo.

A informação foi avançada pelo Jornal Económico e confirmada pelo ECO. Mas fonte oficial do empresário madeirense diz que este continua a não receber qualquer notificação do tribunal. “Dos três arrestos anunciados pela comunicação social ainda não recebemos nenhuma notificação do Tribunal”, disse ao ECO fonte oficial, o que impede que Joe Berardo possa exercer o direito ao contraditório.

Em causa está o arresto decretado na sequência de uma providência cautelar interposta pela Caixa Geral de Depósitos (CGD), o BCP e o Novo Banco, credores da coleção de arte moderna de José Berardo, o arresto de parte da Quinta Monte Palace Tropical Garden, na sequência de uma providência cautelar movida pela CGD, tal como o ECO avançou, e de duas casas em Lisboa, também propriedade do empresário.

De acordo com o Jornal Económico, que observou no local as diligências em curso, os agentes estão a percorrer e fotografar as 862 obras que estão abrangidas pelo acordo de comodato celebrado entre o Estado português e o empresário madeirense, para depois proceder ao auto do arresto.

O protocolo foi negociado entre o Estado e Berardo para a criação do museu em seu nome no Centro Cultural de Belém (CCB), em 2006, que cedia gratuitamente, por dez anos, as 862 obras – avaliadas, na altura, em 316 milhões de euros pela leiloeira internacional Christie’s.

Contactado pelo ECO, o Ministério da Cultura não faz comentários sobre a questão, remetendo para mais tarde eventuais esclarecimentos.

(Notícia atualizada)

Apoie o jornalismo económico independente. Contribua

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso. O acesso às notícias do ECO é (ainda) livre, mas não é gratuito, o jornalismo custa dinheiro e exige investimento. Esta contribuição é uma forma de apoiar de forma direta o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo rigoroso e credível, mas não só. É continuar a informar apesar do confinamento, é continuar a escrutinar as decisões políticas quando tudo parece descontrolado.

Introduza um valor

Valor mínimo 5€. Após confirmação será gerada uma referência Multibanco.

Comentários ({{ total }})

Agentes de execução estão no CCB para arrestar obras de arte de Berardo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião