Receitas da Altice crescem para 522 milhões de euros no segundo trimestre

O crescimento de 1,1% das receitas puxou pelos lucros da operadora no segundo trimestre do ano. Antes de impostos subiram 0,4% face ao período homólogo, para se fixarem nos 213 milhões de euros.

Após nove trimestres consecutivos a cair, a Altice Portugal registou pela primeira vez um aumento dos resultados antes de impostos. A operadora de telecomunicações viu o seu EBITDA crescer 0,4% no segundo trimestre, em termos homólogos, para os 213 milhões de euros, apoiado no aumento das receitas num período em que o número de clientes da fibra ótica atingiu um milhão.

“O EBITDA apresenta uma tendência significativa de melhoria nos últimos seis trimestres, em resultado do crescimento das receitas, do movimento de estabilização ao nível da margem bruta e comercial e manutenção do controlo rigoroso e disciplina ao nível dos custos operacionais, beneficiando igualmente do efeito do programa de saídas realizado no primeiro trimestre de 2019”, dá conta a empresa liderada por Alexandre Fonseca em comunicado para justificar a melhoria das suas contas.

O EBITDA [Lucros antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização] da Altice Portugal subiu 0,4%, em termos homólogos, enquanto face ao trimestre anterior o aumento foi de 3,3%.

A melhoria do desempenho operacional registada pela empresa face ao trimestre anterior foi suportada pelo crescimento das receitas tanto no segmento de consumo como de serviços empresariais, tendo o valor global aumentado 1,1% face ao período homólogo, para 522 milhões de euros.

As receitas do segmento consumo subiram 0,7% face aos três primeiros meses do ano, “resultado de uma tendência de recuperação sustentada”, explica a Altice Portugal. Esta evolução terá sido baseada “num crescimento contínuo na Base de Clientes, alavancada nas novas entradas” e “controlo dos desligamentos, o que permitiu um crescimento contínuo nos últimos sete trimestres, traduzindo-se em mais 21,5 mil clientes nos últimos 12 meses com o aumento substancial dos Clientes ligados em Fibra Ótica (55%)”, concretiza a companhia liderada por Alexandre Fonseca.

Neste campo salienta a conquista de “clientes mais valiosos e com maior ciclo de vida“, bem como o facto de a base de clientes Móvel pós-pagos ter atingido três milhões de subscrições, com um incremento de 31 mil no segundo trimestre do ano. Já o Parque de Serviços TV atingiu 1,4 milhões de clientes, representando 11,9 mil em adições líquidas, tendo o segmento capturado nos últimos 12 meses cerca de 63 mil adições líquidas.

No que respeita ao segmento de serviços empresariais, foi registado um incremento das receitas pelo quarto trimestre consecutivo quando comparada com o mesmo período do ano anterior, tendo crescido 3,6% no segundo trimestre de 2019, “sobretudo pelo forte aumento da Altice Labs, mas também pelos bons desempenhos dos segmentos Empresarial (B2B) e Grossista”, adianta a Altice. Já em cadeia, as receitas neste segmento subiram 4,9%.

Relativamente aos principais marcos do trimestre, entre outros, a empresa salienta o facto de ter atingido a meta de um milhão no número de clientes da fibra ótica e o “investimento sem precedentes” na implantação de fibra ótica nas Aldeias Históricas Portuguesas.

Em termos de quota de mercado, a Altice reivindica a liderança do mercado “ao nível das adições líquidas”, tendo atingido mais de 50% no segundo trimestre.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Receitas da Altice crescem para 522 milhões de euros no segundo trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião