Altice paga 800 euros a trabalhadores que aceitem mudar para nova empresa

  • ECO
  • 22 Julho 2019

A Altice não desiste de passar 2.000 trabalhadores para uma nova empresa, a Meo Serviços Técnicos. "Incentivo" dita que quem assine o acordo até setembro receberá 800 euros.

A Altice Portugal mantém a intenção de transferir quase 2.000 trabalhadores para uma nova empresa, a Meo Serviços Técnicos. O plano é concluir a operação já no início de outubro, mas a medida tem recebido resistência que tem sido mostrada pelos trabalhadores e sindicatos. Neste contexto, a empresa está a oferecer um “incentivo” no valor de 800 euros aos funcionários que aceitem passar para a subsidiária já em setembro.

A informação foi avançada pelo Público (acesso condicionado), que refere que a ideia é pagar um “incentivo de integração” aos trabalhadores que, até ao fim da primeira semana de setembro, assinem o acordo de cedência ocasional. Este documento permite à empresa transferir um determinado trabalhador para a nova subsidiária do grupo Altice. Inicialmente, estava previsto que a nova empresa começasse a operar no início de junho.

Fonte oficial da dona da Meo confirmou ao jornal que “cada colaborador terá direito” a este incentivo, “cujo valor é substancial”. Mas garante que o incentivo estava “previsto desde o início deste projeto” e que os trabalhadores transferidos irão manter todos os direitos, entre os quais as remunerações, o tempo de serviço, os planos de saúde, assim como as mesmas funções e o mesmo local de trabalho.

Segundo o jornal, a Meo Serviços Técnicos vai ocupar-se da gestão integral de redes de comunicações e prestará também serviços a terceiros. A ideia do grupo Altice é que a nova subsidiária responda “à ambição de uma qualidade de serviço ainda maior” e às “necessidades do mercado”. Mas as intenções da companhia liderada por Alexandre Fonseca têm merecido reservas por parte dos trabalhadores, praticamente desde que foram apresentadas, em abril deste ano.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Altice paga 800 euros a trabalhadores que aceitem mudar para nova empresa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião