Dívida pública dá trambolhão para 246,9 mil milhões em junho

A dívida pública desceu cerca de 6 mil milhões de euros no mês de junho, atingindo agora os 246,6 mil milhões de euros, na sequência do pagamento da linha de obrigações do Tesouro de junho passado.

A dívida pública diminuiu 5,6 mil milhões de euros no mês de junho, depois do pagamento da linha de Obrigações do Tesouro no valor de 8,1 mil milhões durante o mês de junho, indicou esta quinta-feira o Banco de Portugal. Com este reembolso, a dívida pública na ótica de Maastricht caiu de 252,5 para 246,9 mil milhões de euros.

No mês de junho, o IGCP realizou a maior amortização do ano, reembolsando 8,1 mil milhões de euros aos investidores que compraram a linha de obrigações do Tesouro colocada no mercado em 2009. Para pagar esta amortização, o Governo teve de recorrer a nova emissão de dívida, colocando mais 1250 milhões de euros durante o mesmo de junho, a 10 e 25 anos.

Dívida pública caiu 5,6 mil milhões de euros em junho

Fonte: Banco de Portugal

Com isto, o Estado português acabou por reduzir o nível global de dívida pública na ótica de Maastricht (um valor que desconta a dívida pública que é detida por outras entidades públicas, como é o caso da Segurança Social) para 246,9 mil milhões de euros, o valor mais baixo desde dezembro do ano passado quando Portugal pagou a última tranche do empréstimo ao Fundo Monetário Internacional.

Foi precisamente por recorrer a dinheiro que tinha em caixa que o valor da dívida pública, quando retirados os valores dos depósitos das administrações publicas, não só não desceu como até apresentou um aumento superior a 100 milhões de euros durante o mês de junho, mesmo com a descida em termos globais.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida pública dá trambolhão para 246,9 mil milhões em junho

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião