Google quer que todos os seus produtos tenham plástico reciclado

Para reduzir o impacto ambiental do seu negócio, a gigante tecnológica prometeu produzir os seus gadgets com plástico reciclado e reduzir totalmente as suas emissões de carbono.

A Google está empenhada em neutralizar as suas emissões de carbono, de modo a diminuir o impacto do seu negócio para o planeta. Para isso, a tecnológica liderada por Sundar Pichai anunciou que pretende, até 2022, passar a ter plástico reciclado em todos os seus aparelhos, desde smartphones a colunas inteligentes.

Esta nova meta, avançada esta segunda-feira por Anna Meegan, diretora de sustentabilidade da área de dispositivos e serviços da Google, em entrevista à Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês), coloca a empresa na corrida, juntamente com outras tecnológicas, que têm vindo a mostrar aos seus consumidores e governos que estão a reduzir o impacto ambiental da produção dos seus gadgets.

Um dos compromissos da gigante tecnológica é, até 2022, introduzir plástico reciclado em toda a sua palete de produtos, que vão desde smartphones, a assistente virtuais ou colunas inteligentes. Após atingir essa meta, a Google pretende, ainda, que 100% das suas entregas de hardware sejam neutras em termos de emissões de carbono.

Anna Meegan admite que “vai levar algum tempo” para que os progressos sejam visíveis, mas que o foco é, agora, a sustentabilidade. “Estamos, fundamentalmente, a procurar a sustentabilidade em tudo o que fazemos”, afirma a responsável desta área na Google.

Mas, na corrida às zero emissões de carbono, a Google já fez alguns progressos. De acordo com Anna Meegan, em 2018, as emissões de carbono da empresa caíram 40% face ao ano anterior. Além disso, para compensar as emissões remanescentes, a empresa vai recorrer à compra de créditos de carbono.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Google quer que todos os seus produtos tenham plástico reciclado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião