PSD/Açores teme centralização de fundos comunitários a nível nacional

  • Lusa
  • 5 Agosto 2019

O PSD/Açores acusou o Governo Regional, socialista, de estar em "silêncio" sobre o próximo quadro comunitário. Partido teme "centralização" dos apoios a nível nacional.

O vice-presidente do PSD/Açores, António Ventura, acusou esta segunda-feira o Governo Regional, socialista, de estar em “silêncio” sobre o próximo quadro comunitário de apoio, temendo os sociais-democratas uma “possível centralização dos fundos comunitários a nível nacional”.

“Consideramos que os Açores têm de ter a sua fatia própria para usar os fundos de acordo com as suas especificidades”, vincou António Ventura, após diversos dirigentes do PSD/Açores se terem reunido com a Federação Agrícola da região, na Ribeira Grande (ilha de São Miguel).

Depois, António Ventura, que se recandidata em outubro a um lugar na Assembleia da República, acusou o Governo Regional, socialista, de estar em “silêncio” sobre o próximo quadro comunitário de apoio. “O Governo Regional está em muito silêncio relativamente ao que devia estar a fazer, não só silêncio relativamente às instituições europeias mas também com o Governo da República”, disse, criticando ainda o executivo de Vasco Cordeiro por ser, “cúmplice de uma estratégia que não existe para favorecer os Açores em termos de fundos comunitários”.

No que refere ao quadro de apoio 2021-2027, Ventura diz ser necessário haver um aumento de 10 milhões de euros para os Açores no POSEI (Programa de Opções Específicas para o Afastamento e a Insularidade nas Regiões Ultraperiféricas). Nesta matéria também, sinaliza o social-democrata, há um “silêncio comprometedor” do Governo dos Açores que, “se faz algo” para reforçar o POSEI, “não se sabe”. “Na prática não se prevê aumento do POSEI”, lamentou ainda António Ventura.

O social-democrata esteve acompanhado do presidente do PSD/Açores, Alexandre Gaudêncio, e do número um do partido às legislativas de outubro, Paulo Moniz, na reunião tida com a Federação Agrícola dos Açores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD/Açores teme centralização de fundos comunitários a nível nacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião