Saiba quais são os serviços mínimos decretados pelo Governo para a greve dos motoristas

A lista é vasta. Por exemplo, abastecimento de combustíveis destinado aos postos das empresas que prestam serviço público de transportes de passageiros é assegurado por um serviço mínimo de 75%.

O Governo já definiu, através da Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho (DGERT), os serviços mínimos para a greve dos motoristas agendada para a próxima segunda-feira, dia 12 de agosto. O grau de serviços mínimos situa-se entre os 50% e os 75%. Além destes, os serviços considerados essenciais terão 100% de serviço assegurado, disse o ministro do Trabalho, Vieira da Silva, esta quarta-feira em conferência de imprensa.

O despacho publicado no site da DGERT estabelece que os sindicatos que entregaram pré-avisos de greve “devem prestar como serviços mínimos as horas de trabalho necessárias” à realização de certos serviços. Entre eles estão o abastecimento de combustíveis à Rede de Emergência de Postos de Abastecimento (REPA) — cujas bombas estão identificadas na página eletrónica da Entidade Nacional para o Setor Energético (ENCE) — “nas mesmas condições em que o devem assegurar em dias úteis, de feriado e/ou descanso semanal, em período homólogo”, lê-se no despacho.

Com a exigência de 75% dos serviços mínimos, está o abastecimento de combustíveis destinado aos postos das empresas que têm por objeto a prestação do serviço público de transportes de passageiros, telecomunicações, água e energia, como é o caso da Carris, Transtejo ou EDP Distribuição, por exemplo. Também será exigido 75% dos serviços em “transporte e abastecimento de combustíveis, matérias perigosas, medicamentos e todos os bens essenciais destinado ao funcionamento dos estabelecimentos prisionais, centros de acolhimento residencial para crianças e jovens, estruturas residenciais para pessoas idosas, IPSS e Misericórdias”.

Veja aqui todos os serviços mínimos decretados pelo Governo:

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saiba quais são os serviços mínimos decretados pelo Governo para a greve dos motoristas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião