Ainda há descontos para os livros escolares. Mas são mais baixos

Com livros gratuitos no ensino público, os descontos ficaram mais "magros" no regresso à escola dos mais jovens. Maioria dos descontos não chegam aos 6% nos livros.

A contagem decrescente para o início do próximo ano escolar já começou. Falta cerca de um mês para os mais novos regressarem às carteiras da escola, com as mochilas recheadas de livros e material escolar. Mas antes é necessário comprar todos os items da lista e aproveitar os preços mais em conta, face à pesada fatura que podem representar no orçamento das famílias.

Apesar de continuarem a existir descontos, no entanto, estes são mais baixos face ao que acontecia antes, tendência que já foi notória no ano passado. Tal foi percetível numa ronda pelos sites das livrarias e grandes superfícies comerciais que habitualmente por esta altura do ano realizam campanhas promocionais de livros e material escolar. Designadamente nas livrarias Wook, Bertrand e Leya, mas também na Staples, nas cadeias comerciais Continente, El Corte Inglés e Fnac.

Se em anos anteriores era quase norma encontrar descontos na aquisição de livros na ordem dos 10%, os valores atuais apontam para descontos que em quase todos vão até ao limite de 6%. E muitas vezes esse desconto é apenas acumulado em cartão para ser usado numa compra posterior. Há mesmo casos em que deixaram de existir descontos na compra dos manuais escolares, com estes a passarem a aplicar-se exclusivamente ao material de apoio escolar.

A tendência decrescente nas “benesses” oferecidas às famílias na aquisição dos livros acontece numa altura em que o Estado disponibiliza de forma gratuita os livros escolares aos alunos do ensino público obrigatório: do 1.º ano ao 12.º ano. Ou seja, esse tipo de campanhas parecem ter deixado de ser uma prioridade para as livrarias e cadeias comerciais que aceitam encomendas.

Nas lojas visitadas pelo ECO, todas elas aderiram ao programa dos vouchers Mega do Governo. Ou seja, quem pretender recorrer ao programa de livros gratuitos apenas tem de converter esses vouchers em manuais escolares nas lojas em causa.

À parte os livros escolares, continuam a existir campanhas de descontos para cadernos de atividades (não incluído nos vouchers Mega), material escolar e livros do Plano Nacional de Leitura (PNL). Abaixo fique a conhecer com mais detalhe os descontos que pode alcançar neste regresso à escola dos mais jovens.

A medida dos descontos

Bertrand: 5% nos livros, 20% no apoio escolar a acumular em cartão

As encomendas de livros escolares efetuadas na Bertrand até 19 de agosto contam com um desconto imediato de 5%. Este desconto abrange manuais e cadernos de atividades. É dado ainda um desconto de 20% a acumular em cartão Leitor Bertrand na compra de livros de apoio escolar (dicionários, gramáticas, fichas de trabalho, livros de preparação para os testes e exames) e nos livros PNL. Tratando-se de novidades, o desconto desce para 10%. Nas encomendas online, os portes são gratuitos para um número mínimo de livros adquiridos.

Quem usar os vouchers mega atribuídos pelo Governo para trocar por livros tem direito a 5% de desconto imediato nos cadernos de atividades e 20% em cartão em todos os livros de apoio escolar.

Wook: Manuais escolares fora dos descontos

A Wook não oferece descontos nos livros escolares, mas sim apenas nos cadernos de atividades e nos livros do PNL e de apoio escolar. Nas encomendas efetuadas até 25 de agosto de cadernos de atividade é dado um desconto imediato de 5%. O desconto sobe para 20% nos livros do PNL (exceto nas novidades, que estão com 10% de desconto) e nos livros de apoio escolar.

Os portes são grátis para encomendas que contenham um voucher mega ou para encomendas escolares completas.

Staples: dá 6% de desconto imediato nos livros

Até ao dia 20 de agosto pode contar com descontos nas reservas feitas na Staples. Na aquisição dos manuais escolares e cadernos de atividades é aplicado um desconto direto de 6%, havendo ainda um desconto de 10% na forra dos livros. Os portes são ainda grátis em todas as encomendas.

Fnac: 6% nos manuais, 20% em vales no apoio escolar

Nas encomendas realizadas até 20 de agosto, a loja aplica um desconto de 6% em manuais escolares e cadernos de atividades. Nas compras de livros escolares superiores a 35 euros, há ainda a oferta de vales que podem ser utilizados até 31 de outubro.

Esses vales dão direito a 20% de desconto para Aderentes (10% para não Aderentes) em livros de apoio escolar (não aplicável a gramáticas, dicionários, métodos de línguas e conversação). A mesma categorização de descontos (20% para aderentes e 10% para não aderentes) aplica-se em livros recomendados pelo PNL para títulos publicados há mais de 18 meses (-10% nos títulos publicados há menos de 18 meses). Nos artigos de papelaria aplicam-se as mesmas percentagens de desconto.

Quem desconte os vouchers Mega na Fnac tem direito a um desconto de 6% nos cadernos de escolares.

Os portes são grátis para encomendas de livros escolares de valor igual ou superior a 15 euros.

Leya: Desconta 5% no preço dos cadernos de atividades, 20% no apoio escolar

Na Leya online não há descontos nos livros escolares, mas apenas nos cadernos de atividades, apoio escolar e nos livros do PNL. A campanha é válida até 25 de agosto e prevê 5% de desconto em cadernos de atividades, 20% em material de apoio escolar (dicionários, gramáticas, treinar para testes, resumos e preparação de exames). Nos livros do PNL os descontos vão até 20%.

Nas encomendas superiores a 60 euros, os portes de envio são grátis.

Continente: 6% vão para o cartão na compra dos manuais

A campanha do Continente é válida até ao dia 31 de agosto. Nas reservas de cadernos de atividade e de livros escolares (sem voucher) efetuadas até aquela data há a oferta de um desconto de dez euros numa próxima compra online. Acresce ainda um desconto de 6% em cartão Continente na reserva de cadernos de atividade e de livros escolares (sem voucher) realizadas até 25 de agosto.

No material de apoio escolar (gramáticas, dicionários e livros de preparação para exame) e de livros do PNL também há direito a descontos. Estes são de 20% a acumular também em cartão Continente. As entregas dos materiais são gratuitas.

El Corte Inglés: Dá 10% nos livros, mas em cartão

Nas reservas feitas até 15 de agosto, é oferecido um desconto de 10% sobre o valor dos livros adquiridos que são carregados no saldo de um cartão que pode ser usado para comprar material escolar, à exceção de livros. Este saldo pode ser utilizado até 30 de setembro.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Ainda há descontos para os livros escolares. Mas são mais baixos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião