Zome incentiva consultores a procurar novos talentos fora do ramo imobiliário

A agência imobiliária Zome lançou o Zwitch, um programa que incentiva e dá prémios aos consultores que recrutem em áreas de negócio fora do setor imobiliário.

A agência imobiliária Zome lançou um programa para incentivar o recrutamento de talentos em outras áreas de negócio fora do setor imobiliário. O objetivo é “refrescar, fortalecer e credibilizar o setor, diminuindo a canibalização entre agências”, avança em comunicado.

O programa de incentivo interno Zwitch vai premiar os consultores que recrutem fora do setor atraiam talento de outras áreas de negócio. Este é o primeiro passo de um conjunto de ações que agência imobiliária quer promover, no sentido de mudar o paradigma do setor imobiliário.

“Este programa é muito importante para nós, mas acreditamos que poderá ser ainda mais importante para o setor imobiliário em geral. Tradicionalmente, os consultores imobiliários têm uma enorme rotatividade entre agências. O nosso intuito é diminuir esta canibalização constante, por forma a dignificar o setor, que, na nossa visão, deverá ser mais cooperativo num futuro o mais próximo possível”, explica Patrícia Santos, CEO da Zome.

Aos consultores que consigam recrutar talentos fora do setor e levá-los para a Zome, serão dados benefícios de carreira para os respetivos formandos. A agência imobiliária acredita que este incentivo vai contribuir para promover a estabilidade e transparência no setor, “diminuindo o assédio constante das imobiliárias aos consultores da concorrência”, e ainda promover o espírito de equipa entre os consultores.

“O negócio das imobiliárias está em constante evolução e este é mais um passo em frente na estratégia da Zome para reforçar a sua competitividade, contribuindo simultaneamente para uma gradual renovação e evolução do setor”, reforça a CEO.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zome incentiva consultores a procurar novos talentos fora do ramo imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião