Portugal está a importar cada vez mais talento. E tanto perfis tech como pedreiros

Seja na área da tecnologia, da engenharia ou da construção, a escassez de mão de obra nacional é já transversal a vários setores. Importar talento surge como uma das soluções para as empresas.

A importação de talento estrangeiro é, cada vez mais, um dos caminhos que as empresas portuguesas escolhem com o objetivo de colmatar a falta de mão-de-obra no país. Seja na área da tecnologia, da engenharia ou da construção, a escassez de profissionais que preencham os requisitos das empresas é já transversal a vários setores da economia.

Perante este défice de mão-de-obra, conservar os recursos humanos tornou-se crítico para as empresas portuguesas, mas parece já não ser suficiente. É preciso atravessar fronteiras e ir buscar talento lá fora. E Portugal tem recorrido a países como o Brasil, França e Índia.

José Miguel Leonardo, CEO da Randstad Portugal, fala da necessidade de perfis CTEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) a par de uma falta de profissionais no setor da construção, como pedreiros ou eletricistas. “Não é novidade. Enfrentamos esta escassez já há algum tempo”, afirma.

“No ano passado não teríamos mais de 3.000 recém-licenciados em tecnologias de informação em Portugal, o que é claramente insuficiente para a transformação digital que está a acontecer nas empresas (sobretudo se ainda considerarmos que alguns destes estudantes podem mesmo optar por sair do país)”, explica ao ECO José Miguel Leonardo. “Se aliarmos a isto, a necessidade de, em muitos casos, ter recursos com experiência, facilmente compreendemos a dificuldade de encontrar talento nestas áreas”, continua.

José Miguel Leonardo diz que também o próprio fluxo de emigração muitas vezes leva os perfis que mais precisamos, como os CTEM, eletricistas ou soldadores.Hugo Amaral/ECO

José Miguel Leonardo lembra ainda que, mais recentemente, também o Regime Geral de Proteção de Dados (RGPD) trouxe novas necessidades: “Hoje, a nível jurídico, existe uma enorme lacuna para data protection officers, bem como para information security officers.”

Faltam perfis tech, mas também faltam ladrilhadores ou soldadores

Paulo Ayres, manager IT software development na Robert Walters, explica que a importação de talento estrangeiro, ainda que “presente em todas as áreas”, é, sobretudo, verdade dentro da área da tecnologia. Aí, “o talento é bastante escasso e trazer candidatos estrangeiros é uma prática cada vez mais comum para responder à procura do mercado, principalmente se falamos de candidatos com formação especializada”, conta.

Trazer candidatos estrangeiros é uma prática cada vez mais comum para responder à procura do mercado, principalmente se falamos de candidatos com formação especializada.

Paulo Ayres

Manager IT software development na Robert Walters

“Com o aumento de centros de serviços partilhados e de startups e com o início de operações de empresas consolidadas globalmente — como a Google ou a Amazon, por exemplo — a mão-de-obra presente no país não é suficiente. É preciso atrair profissionais de outros países para responder à procura crescente de candidatos“, continua Paulo Ayres.

Aainda que a área da tecnologia seja considerada uma das mais críticas a nível de falta de profissionais, também o CEO da Randstad Portugal alerta para que também nos perfis mais técnicos existe escassez em algumas profissões. É o caso dos pedreiros, carpinteiros de cofragem, armadores de ferro, canalizadores, eletricistas, serralheiros e ladrilhadores, no setor da construção.

Na indústria, faltam soldadores, técnicos de manutenção, técnicos de injeção de plástico e operários fabris. Mas também o setor da hotelaria e da restauração começa já a enfrentar algumas dificuldades.

Para José Miguel Leonardo, o país precisa de uma estratégia que seja capaz de atrair este talento e entrar nos fluxos de emigração. “Quando falo de talento, falo desta diversidade de perfis muito especializados e técnicos. Precisamos de uma estratégia de promoção que seja atrativa e que consiga reter os perfis, que valorize as competências e que garanta a sustentabilidade de Portugal. Caso contrário, corremos o risco de perder investimentos e até de deixar de estar na moda por não termos pessoas que garantam a qualidade dos nossos serviços, do nosso trabalho”, refere.

Corremos o risco de perder investimentos e até de deixar de estar na moda por não termos pessoas que garantam a qualidade dos nossos serviços, do nosso trabalho.

José Miguel Leonardo

CEO da Randstad Portugal

De que países Portugal importa talento?

François-Pierre Puech, senior manager na Robert Walters Portugal, diz que as nacionalidades dependem quase sempre do setor para o qual se está a recrutar. “É normal que em diferentes países da Europa e de outros continentes desenvolvam as suas próprias áreas de expertise, constituindo assim uma reserva de talento natural”, diz. É o caso do setor automotivo em França e na Alemanha, a área da pharma&biotech na Alemanha, França, Suíça e Itália, ou as energias renováveis em Espanha, por exemplo.

“Assim, o talento internacional específico que recrutamos para posições desses setores provém em maior escala dos países onde essas áreas estão mais desenvolvidas”, clarifica o senior manager na Robert Walters Portugal.

Dentro da Europa, Vânia Borges, manager permanent placement da região de Lisboa na Adecco, destaca França, Alemanha e Itália como os países onde Portugal vai buscar talento com mais frequência.

O Brasil assume um papel importante no que toca a importação de talento, sobretudo para as tech.

Já na área das tecnologias, Paulo Ayres afirma que “não há uma nacionalidade em particular”. Contudo, devido à proximidade cultural e interesse por parte dos candidatos, o Brasil “tem sido um dos países onde esses talentos são mais procurados”, representando uma mais-valia para a área de IT em Portugal.

“Ainda que em menor número, os países da Europa de Leste são também uma boa fonte de talento internacional para posições tecnológicas”, esclarecem dizendo que no fim deste ranking surge ainda à Índia, ainda que neste caso existam “dificuldades de visto e cultura”.

Por fim, dos países africanos vêm, sobretudo, “trabalhadores de baixa escolaridade para profissões relacionadas com a construção civil”, acrescenta o CEO da Randstad Portugal.

Já quanto à formação académica, Vânia Borges salienta que o país importa números elevados de profissionais com o 12.º ano de escolaridade, bem como, “em grande expressão”, profissionais que possuem o ensino superior.

Mas há obstáculos à importação da talento…

Ainda que o mercado internacional surja como uma possível solução, ainda não é assim tão fácil contratar candidatos estrangeiros. “A atração de talento internacional em Portugal continua a ser complexa”, afirma François-Pierre Puech.

Primeiramente, por motivos económicos: “os salários médios em Portugal dificultam a atração de talento internacional, provocando casos de desigualdade salarial com a mesma formação, experiência e responsabilidades. Podemos falar entre 5% e 15% de diferença em relação a Espanha, 10% a 30% em relação a França, Reino Unido ou Alemanha”, explica.

Em segundo lugar, o enquadramento fiscal também continua a dificultar a importação de talento. “A carga fiscal em Portugal diminui a sua atratividade, em relação a outros países que têm impostos menos agressivos e algumas isenções fiscais automáticas”, refere o senior manager da Robert Walters Portugal.

Para Duarte Fernandes, executive partner da Kwan, especializada em recrutamento IT, é preciso “descomplicar a importação de talento estrangeiro”, passando, por exemplo, por “acelerar e desburocratizar os processos de entrada e vistos de residência/trabalho“.

“Existe imenso talento em países externos à União Europeia, mas as empresas não arriscam contratar sem que a legalização esteja concluída. Algo que pode levar meses e quando as necessidades de contratação são sempre para ontem”, continua.

(…) as empresas não arriscam contratar sem que a legalização esteja concluída. Algo que pode levar meses e quando as necessidades de contratação são sempre para ontem.

Duarte Fernandes

Executive partner da Kwan

Por último, François-Pierre Puech aponta, ainda, o “contínuo crescimento dos preços dos imóveis em algumas áreas do país (principalmente em Lisboa)” como um dos fatores que mais tem complicado o processo de atração de candidatos estrangeiros.

Além de tudo isto, e num cenário de fosso entre a procura e a mão-de-obra existente junta-se, ainda, a crescente atração de investimento, que tem trazido para Portugal grandes empresas como a Google. Duas premissas que levam Duarte Fernandes dizer que “corremos o risco de colapsar”. “Por um lado, continuamos (e bem) a atrair investimento estrangeiro e nacional nesta área, mas, por outro, continuamos sem talento suficiente para suprir as necessidades de talento que esse investimento traz”, explica.

Comentários ({{ total }})

Portugal está a importar cada vez mais talento. E tanto perfis tech como pedreiros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião