Custo do trabalho aumenta 0,9% devido às progressões na Função Pública

O custo do trabalho aumentou 0,9% no segundo trimestre do ano, menos que no primeiro, devido às progressões na Função Pública. Custo do trabalho caiu no setor privado.

O custo do trabalho aumentou 0,9% no segundo trimestre do ano, indicou esta terça-feira o Instituto Nacional de Estatística (INE). Este aumento deve-se à subida dos custos nas atividades da economia maioritariamente associadas ao setor público e resulta do pagamento faseado do descongelamento das carreiras da Função Pública. Os setores que globalmente abrangem o setor privado viram os custos diminuir.

De acordo com o INE, o custo do trabalho nas atividades económicas ligadas ao setor público aumentou 3,4% face ao segundo trimestre do ano passado, devido a um aumento de 3,9% dos custos salariais e de 2,2% dos outros custos (que inclui a contribuição do empregador para a Segurança Social). O custo médio por trabalhador aumentou 4%, um aumento associado ao pagamento faseado do descongelamento de carreiras iniciado em 2018.

O número de horas trabalhadas também aumentou, mas apenas 0,5%, não permitindo assim equilibrar o custo do trabalho nestes meses.

Já nas atividades económicas que representam globalmente o setor privado — Indústria, Construção e Serviços — o custo do trabalho diminuiu 1,5% face ao mesmo trimestre de 2018.

Esta diminuição é explicada por um perfil inverso ao verificado nas atividades ligadas ao setor público. No privado, os custos salariais diminuíram em média 1,6% e os outros custos 1%. No segundo trimestre, o custo médio por trabalhador nestes setores aumentou 3,2%, mas como o número de horas trabalhadas cresceu substancialmente mais, 4,8%, o custo do trabalho para as empresas privadas acabou por diminuir.

Nestes setores de atividade ligados ao setor privado os custos salariais e outros custos têm apresentado uma diminuição desde o início deste ano, com maior expressão no caso da Indústria, onde os custos salariais caíram 5,1% no segundo trimestre, e os outros custos caíram 4,8%. Os custos salariais e outros custos também caíram, mas menos que no primeiro trimestre do ano, enquanto no setor dos serviços se mantiveram praticamente inalterados.

Os dados divulgados pelo INE pretendem medir o custo para o empregador por hora efetivamente trabalhada. Para isso, divide o custo médio por trabalhador — que incluem os custos salariais como o salário, prémios, subsídios e trabalho extraordinário, entre outros; e também outros custos como o pagamento da TSU pelo empregador — pelo número de horas efetivamente trabalhadas.

Evolução dos custos salariais

Fonte: INE; Taxas de variação homóloga

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Custo do trabalho aumenta 0,9% devido às progressões na Função Pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião