Estas são as 10 apps que tem de usar para umas férias descansadas

Preparar a mala, atestar o carro, evitar desvios no orçamento e na estrada, encontrar as melhores praias e restaurantes são missões cujo sucesso pode estar à distância de um toque no telemóvel.

Férias, férias, férias… Agora que chegou a hora de partir rumo ao merecido descanso, é a altura certa para garantir que tudo corre pelo melhor. Na bagagem, por entre fato de banho, toalha e protetores solares, não se esqueça de levar o smartphone com um conjunto de aplicações que podem ser úteis, ou mesmo indispensáveis, para garantir umas férias tranquilas.

O ECO reuniu um conjunto de dez apps que podem ser uma escolha acertada em tempo de férias. Vão ajudá-lo a preparar a mala, partir de viagem sem perder o norte e minimizar o rombo no orçamento pessoal. Mas também ajudá-lo a encontrar as melhores praias, restaurantes e a relaxar.

Packpoint

Está prestes a partir de viagem e chegou a hora de preparar a mala? Há várias apps que podem ajudar a que não fique nada de importante atrás. Se é daquelas pessoas que se esquece das coisas com frequência, talvez queira experimentar a Packpoint, que lhe permite listar todas as coisas que tem de levar consigo e sugere outras que talvez se esteja a esquecer de meter na bagagem. Depois é só fazer check, check, check…

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

VivaGas

Além do smartphone, o carro é outro parceiro quase inevitável durante as férias. Por isso, encontrar os postos de combustíveis mais baratos é sempre vantajoso. A app VivaGas é uma ferramenta útil nessa missão, já que permite encontrar os postos de abastecimento mais próximos e mais económicos, em todo o país e para todos os combustíveis, informando ainda sobre os respetivos horários de funcionamento. Os preços são recolhidos junto da Direção-Geral de Energia e Geologia (DGEG).

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Waze

GPS, Mapas e trânsito em tempo real. Isto resume o que a Waze lhe pode disponibilizar e que pode ser útil no período de férias. Funciona quase como uma rede social da estrada, onde além de toda a informação de percursos e de trânsito também vai alertando os utilizadores para os imprevistos da estrada, graças à interação de outros utilizadores que já passaram pelo local. Vai conseguir poupar tempo na viagem e a manter a calma.

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Calm

Férias servem para retemperar energia e relaxar. Como nem sempre isso é fácil, a Calm, uma aplicação para meditação pode ser uma ferramenta útil, principalmente para quem tem dificuldade em desligar do que deixa para trás. Esta app é indicada para quem tem crises de ansiedade ou dificuldade em dormir. Mais do que meditação, tem histórias para adormecer, sons da natureza, exercícios de respiração, música para ajudar as pessoas a focarem-se ou relaxar, mas também master classes com especialistas destas áreas. As sessões de meditação guiadas estão disponíveis em períodos que vão desde os três aos 25 minutos.

A app tem uma versão gratuita e está disponível para IOS e Android.

Nivea Sun

O Nivea Sun é um despertador inteligente que pode ser definido para tocar apenas se estiver sol. É o utilizador quem escolhe as opções. Para que não acorde se o dia não estiver bom, a aplicação deteta o local onde se encontra e pergunta a que hora pretende acordar. Depois, configure o despertador para só tocar se o céu estiver limpo. Para funcionar, esta app integra um módulo de previsão meteorológica por localidade.

A app é grátis e está disponível para IOS.

Info Praia

A Info Praia é uma aplicação que foi desenvolvida pela Agência Portuguesa do Ambiente e que disponibiliza informação atualizada sobre as praias e a qualidade das águas balneares costeiras, de transição ou interiores. Pode definir as praias favoritas e ficar a conhecer a qualidade da água, galardões atribuídos, equipamentos e serviços existentes, bem como ser notificado das última análises da qualidade da água balnear. A informação é complementada pelos dados de previsão meteorológica diária fornecidos pelo serviço do IPMA.

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Beachcam

Antes de se pôr a caminho da praia, veja como está o ambiente. A Beachcam é uma aplicação que permite ver as câmaras instaladas em diversas praias portuguesas, de norte a sul da costa continental, nas ilhas e até em certas praias fluviais. A aplicação dá ainda outras informações relevantes, como a temperatura da água e a altura das ondas.

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Zomato

Após um dia de praia, jantar. Mas onde? A Zomato permite pesquisar e encontrar restaurantes e bares, disponibilizando menus, fotos e opiniões de utilizadores. Permite também fazer a reserva de mesas online diretamente e à distância, a partir da toalha de praia, por exemplo. Está disponível em mais de dez mil cidades em 24 países: Índia, Portugal, Austrália, Bahamas, Barém, Maurício, Bélgica, Belize, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, República Checa, Dinamarca, Finlândia, Indonésia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Malásia, Nova Zelândia, Filipinas, Países Baixos, Noruega, Polónia e Líbano. Em Portugal está presente em Lisboa, Porto e Algarve.

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Wallet

As férias são uma altura propícia para o descarrilamento do orçamento pessoal. Por isso mesmo em férias convém manter os gastos “debaixo de olho”. A Wallet é um gestor de orçamento que pode ajudar nessa missão. Permite não só traçar orçamentos como acompanhar os gastos que vão sendo feitos.

A app tem uma versão grátis e está disponível para IOS e Android.

SplitWise

Manter o orçamento pessoal na linha também depende de “contas certas”. O Splitwise é uma ferramenta que pode ser útil nessa missão já que ajuda a que amigos e colegas possam ter controlo sobre despesas partilhadas, de modo a que todos possam saldar as suas dívidas.

A app é grátis e está disponível para IOS e Android.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Estas são as 10 apps que tem de usar para umas férias descansadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião