Costa: Rui Rio não acompanhou situação mas “desejo que conclua com felicidade as suas férias”

  • ECO
  • 16 Agosto 2019

Primeiro-ministro manifestou o desejo que a greve não se estenda ao fim de semana e criticou Rui Rio por não ter estado atento ao que o Governo fez enquanto esteve de férias.

“O trabalho ainda não foi concluído, mas esperamos estar na ponta final da situação e encontrar com o último sindicato em greve condições para que voltem à mesa de negociações a discutir o que têm a discutir”, defendeu António Costa ao final da tarde, após o encontro semanal com Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações transmitidas pela RTP.

Apesar da postura conciliadora, o primeiro-ministro não se esqueceu de responder a Rui Rio: “Eu sei que talvez quem tenha estado ausente nos últimos tempos não tenha tido conta que o governo se começou por empenhar desde início para que as partes evitassem o conflito”, atirou. Depois, o líder de Governo foi ainda mais longe.

“Não vou querer comentar as declarações do Dr. Rui Rio, fez a opção de estar ausente, de usar legítimo direito a férias e não terá acompanhado com devida atenção tudo aquilo que o Governo tem feito para evitar e prevenir o conflito e assegurar o normal funcionamento do país. Desejo ao Dr. Rui Rio que conclua com felicidade as suas férias“, rematou.

António Costa alegou de seguida que o Executivo “começou por se empenhar” ainda antes do início da paralisação “para que as partes evitassem o conflito” e que, quando estas não chegaram a acordo sobre os serviços mínimos, foi também o Executivo que os decretou. “Já no auge do conflito vimos oportunidade de mediar, oferecemo-nos e na altura foi recusado“, prosseguiu, lembrando a decisão de avançar com a requisição civil assim que se registaram incumprimentos, mas sempre mantendo a atuação do Executivo “minimalista”.

Desta forma, considerou o primeiro-ministro, construíram-se “condições para que fossem surgindo acordos e agora resta um único sindicato e espero que as reuniões de hoje sejam coroadas de sucesso, caso contrário continuaremos a persistir e a estimular o diálogo entre as partes”.

Depois do Sindicato Independente de Motoristas de Mercadorias ter decidido desconvocar a greve, hoje o Sindicato Nacional de Motoristas de Matérias Perigosas abriu a porta a essa possibilidade, ainda que apenas temporariamente. Este sindicato está desde meio da tarde reunido com Pedro Nuno Santos para se tentar abrir nova via de diálogo com a Antram, que, desde antes do início da greve, recusa voltar a negociar com o SNMMP.

Não querendo antecipar quaisquer resultados das reuniões desta sexta-feira, António Costa manifestou o desejo “de irmos já para fim de semana com este problema ultrapassado”, salientou.

Sobre a hipótese de o Governo avançar como mediador oficial entre as partes, Costa considerou que caso “sejamos úteis, e todos estiverem de acordo, estamos disponíveis”, lembrando, porém, que no caso da Fectrans e do SIMM não foi necessário o Executivo assumir esse papel oficialmente. E acrescentou um apelo: “É preciso terminar com esta incerteza, desde logo para os próprios trabalhadores, que estão em grande estado de exaustão, não vale a pena prolongar o conflito.”

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Costa: Rui Rio não acompanhou situação mas “desejo que conclua com felicidade as suas férias”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião