Conhecidos novos contratos entre empresa da ministra da Cultura, a CML e a SCML

  • ECO
  • 17 Agosto 2019

Contratos celebrados por ajuste direto terão representado para a empresa da ministra da Cultura um encaixe na ordem dos 39.500 euros.

A empresa familiar de Graça Fonseca, ministra da Cultura, assinou a 29 de julho, em pleno family gate, um novo contrato com a Câmara Municipal de Lisboa. Segundo noticia este sábado do jornal Expresso (acesso condicionado), o contrato celebrado pela Joule — Projetos, Estudo e Coordenação, Lda tem como alvo a elaboração do projeto de redes de infraestruturas, no âmbito do Plano de Urbanização do Vale de Santo António.

O jornal divulga ainda a existência de um outro contrato, este já assinado em fevereiro entre a Joule Internacional — Serviços de Engenharia, Lda. e a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, e dá conta que os dois contratos foram atribuídos por ajuste direto e representam para a empresa da ministra da Cultura um encaixe de 39.500 euros (19.900 euros, o primeiro, 19.600 euros, o segundo).

Graça Fonseca, ministra da Cultura desde outubro de 2018, detém 8% do capital da Joule – Projetos, Estudos e Coordenação, estando o restante capital nas mãos do pai, da mãe (ambos com 38%) e do irmão, que controla 16%. Já na Joule Internacional, Graça Fonseca tem a mesma participação de 8%. O pai é o maior acionista, com 70% do capital, e o irmão controla 22%.

Ainda de acordo com o Expresso, desde 2009, quando Graça Fonseca se tornou vereadora da CML, a empresa de que é sócia assinou 17 contratos com o setor público.

A ligação entre as empresas de Graça Fonseca e o setor público foi conhecida no final de julho, poucos dias antes de o primeiro-ministro António Costa ter pedido ao Conselho Consultivo da Procuradoria Geral da República que se pronuncia-se sobre a incompatibilidade das participações acima dos 10% de familiares dos ocupantes de altos cargos públicos, ascendentes ou colaterais até ao segundo grau em negócios com o setor público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Conhecidos novos contratos entre empresa da ministra da Cultura, a CML e a SCML

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião