Familiares de ministros de Costa fazem negócios com o Estado

  • ECO
  • 31 Julho 2019

Não foi só o filho do secretário de Estado da Proteção Civil que fez negócios com o Estado. Familiares de Pedro Nuno Santos, Graça Fonseca e Van Dunem também têm contratos com o setor público.

Além do filho do secretário de Estado da Proteção Civil, há familiares de ministros que têm contratos com o setor público. É o caso do pai de Pedro Nuno Santos, mas também do marido de Francisca Van Dunem, revela o Observador (acesso pago).

O pai do ministro das Infraestruturas e da Habitação tem duas empresas que mantêm negócios com o Estado há vários anos — desde 2009 –, sendo que estas não terminaram quando Pedro Nuno Santos assumiu o cargo. Os negócios do pais, diz a publicação, estão avaliados em mais de um milhão de euros.

Além de Pedro Nuno Santos, o Observador lembra o caso do marido de Van Dunem, Eduardo Paz Ferreira, que tem contratos com o Estado. Recorde-se que esta ligação foi assumida, tendo Paz Ferreira afirmado, em abril, que não abdicava desta área de negócio pelo facto de a mulher ter funções governativas.

O Público avança esta quarta-feira que além de Pedro Nuno Santos e de Van Dunem, também o pai da ministra da Cultura, Graça Fonseca, terá prestado serviços a entidades públicas.

Estes casos juntam-se ao de José Artur Neves, cujo filho celebrou pelo menos três contratos com o Estado. António Costa pediu ao conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República um parecer sobre se o secretário de Estado violou ou não a lei da transparência.

Além da polémica dos contratos do filho, que levou o secretário de Estado da Proteção Civil a vir a público dizer que não se demite por causa destes negócios que desconhece, Artur Neves viu-se envolto noutra polémica, a das golas antifumo que são inflamáveis.

(Notícia atualizada às 10h07 com a informação do Público sobre os contratos do pai de Graça Fonseca)

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Familiares de ministros de Costa fazem negócios com o Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião