Familiares de ministros de Costa fazem negócios com o Estado

  • ECO
  • 31 Julho 2019

Não foi só o filho do secretário de Estado da Proteção Civil que fez negócios com o Estado. Familiares de Pedro Nuno Santos, Graça Fonseca e Van Dunem também têm contratos com o setor público.

Além do filho do secretário de Estado da Proteção Civil, há familiares de ministros que têm contratos com o setor público. É o caso do pai de Pedro Nuno Santos, mas também do marido de Francisca Van Dunem, revela o Observador (acesso pago).

O pai do ministro das Infraestruturas e da Habitação tem duas empresas que mantêm negócios com o Estado há vários anos — desde 2009 –, sendo que estas não terminaram quando Pedro Nuno Santos assumiu o cargo. Os negócios do pais, diz a publicação, estão avaliados em mais de um milhão de euros.

Além de Pedro Nuno Santos, o Observador lembra o caso do marido de Van Dunem, Eduardo Paz Ferreira, que tem contratos com o Estado. Recorde-se que esta ligação foi assumida, tendo Paz Ferreira afirmado, em abril, que não abdicava desta área de negócio pelo facto de a mulher ter funções governativas.

O Público avança esta quarta-feira que além de Pedro Nuno Santos e de Van Dunem, também o pai da ministra da Cultura, Graça Fonseca, terá prestado serviços a entidades públicas.

Estes casos juntam-se ao de José Artur Neves, cujo filho celebrou pelo menos três contratos com o Estado. António Costa pediu ao conselho consultivo da Procuradoria-Geral da República um parecer sobre se o secretário de Estado violou ou não a lei da transparência.

Além da polémica dos contratos do filho, que levou o secretário de Estado da Proteção Civil a vir a público dizer que não se demite por causa destes negócios que desconhece, Artur Neves viu-se envolto noutra polémica, a das golas antifumo que são inflamáveis.

(Notícia atualizada às 10h07 com a informação do Público sobre os contratos do pai de Graça Fonseca)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Familiares de ministros de Costa fazem negócios com o Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião