Ministério Público abre inquérito à compra das golas inflamáveis

"O Ministério Público determinou a instauração de um inquérito" à compra das golas por parte da Autoridade Nacional de Proteção Civil.

“O Ministério Público determinou a instauração de um inquérito” à compra das golas por parte da Autoridade Nacional de Proteção Civil, revelou fonte oficial ao ECO. “Corre termos no Departamento Central de Investigação e Ação Penal“, adiantou. Os equipamentos em causa, feitos de material inflamável, faziam parte dos kits de emergência para o programa “Aldeias Seguras”.

O Ministério da Administração Interna também já abriu um inquérito ao caso das golas distribuídas pela Proteção Civil, depois de ser conhecido que estas foram produzidas por uma empresa detida pelo marido da presidente de junta de Longos, Guimarães, e que continham material inflamável.

Na sequência da polémica, Rui Rio, presidente do PSD, tinha sugerido que o Ministério Público investigasse esta questão e afirmou, nesta segunda-feira, que o caso é “gravíssimo“. “Aquilo que temos em cima da mesa é que há uma empresa constituída e que se dirige ao setor do turismo que vende golas, golas essas que são inflamáveis. Logo aí a coisa tem diversos males”, apontou.

O caso já levou também à demissão do técnico Francisco Ferreira, adjunto do secretário de Estado da Proteção Civil, após ter sido noticiado pelo Jornal de Notícias o seu envolvimento na escolha das empresas para a produção dos kits. Foi Francisco Ferreira que recomendou as empresas para a compra das 70 mil golas inflamáveis e dos 15 mil kits de emergência entregues a povoações.

Entretanto foi ainda revelado que uma empresa detida a 20% pelo filho do secretário de Estado da Proteção Civil estabeleceu três contratos com o Estado, numa altura em que a Secretaria de Estado está envolvida na polémica relacionada com os kits. Mas José Artur Neves diz que não se demite e defende que não teve qualquer influência nos contratos públicos celebrados.

(Notícia atualizada às 18h25)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público abre inquérito à compra das golas inflamáveis

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião