Governo junta motoristas e a Antram na terça-feira

Fonte do Governo confirma que está programada uma reunião para a próxima terça-feira que juntará patrões e motoristas.

O Governo confirmou este domingo que está programada uma reunião entre motoristas e patrões para a próxima terça-feira, mas só se os trabalhadores decidirem levantar a greve em curso. “Caso o plenário do sindicato desconvoque a greve, a reunião no MIH, terça-feira, pelas 16h, está confirmada”, disse ao ECO fonte do Governo.

A confirmação surge cerca de duas horas depois do Ministro do Ambiente e da Transição Energética ter avançado que “se de facto, hoje [domingo], o plenário desistir da greve” a reunião com os representantes do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) “será marcada imediatamente”. “Nem vejo razão para que não seja marcada já para amanhã, segunda-feira”, completou.

Os motoristas afetos ao SNMMP foram convocados para um plenário a realizar hoje pelas 16H00, em Aveiras de Cima, e a expectativa é que estes aceitem suspender a greve para que sindicato e Antram possam voltar a sentar-se à mesa das negociações.

Na conferência de imprensa diária para fazer o ponto de situação da crise energética, Matos Fernandes disse ter uma “forte expectativa” de que a greve possa ser desconvocada e que se avance com o processo de mediação. Apelando às partes que cheguem a um entendimento, o ministro do Ambiente disse ver no comunicado da Antram “um bom sinal”, de “disponibilidade para negociar, aceitando a mediação”.

Ao longo deste sábado, motoristas e patrões foram trocando mensagens através dos órgãos de comunicação social, depois da Antram ter dito que estava disponível para aceitar a mediação proposta quinta-feira pelo sindicato. Dando boa nota da posição da associação patronal, o porta-voz dos motoristas respondeu que para que se possa avançar é preciso que as empresas aceitem a posição de princípio negociada com a mediação do Executivo na maratona negocial que começou na sexta-feira à tarde e se prolongou até à madrugada de sábado.

As atenções estão agora totalmente fixadas na reunião de Aveiras, que deverá decidir se aquilo que separa motoristas e patrões é, ou não, um muro intransponível.

(Notícia atualizada às 14H00)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo junta motoristas e a Antram na terça-feira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião