Sindicato apela à Antram para aceitar proposta articulada com o Governo

  • Lusa
  • 17 Agosto 2019

No comunicado, o SNMMP indica que a Antram recusou “ceder um milímetro face à sua proposta”, depois de 10 horas de reunião na sexta-feira.

O Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) apelou este sábado à Antram para aceitar a proposta de compromisso que o Governo articulou com aquela força sindical, abrindo “caminho para a paz duradoura”, antes da reunião plenária no domingo.

Em comunicado à imprensa, o SNMMP refere que o Governo deverá utilizar “as ferramentas que ainda tem ao seu dispor para chamar à razão a Antram”, fazendo “chegar uma proposta que cumpra mínimos de dignidade, por forma a ser apresentada aos motoristas de matérias perigosas” no plenário nacional de motoristas de cargas perigosas, agendada para as 16:00 de domingo, na Junta de Freguesia de Aveiras de Cima (Lisboa).

No comunicado, o SNMMP indica que a Antram recusou “ceder um milímetro face à sua proposta”, depois de 10 horas de reunião na sexta-feira, rejeitando a proposta articulada entre o Governo e a força sindical.

De acordo com o sindicato, a proposta abria mão do desdobramento para 2021 e 2022, centrando-se num plano de ganhos inferior aos 900 euros de salário base, mas que garantia uma nova dotação salarial, com garantia de que seria pago pelos empregadores e tributado pelo Estado.

O SNMMP refere que a proposta tem como objetivo reconhecer a especificidade dos motoristas de cargas perigosas, o grau de desgaste e risco associado ao trabalho, bem como a sua importância para a sociedade.

O sindicato das matérias perigosas refere também que a Antram não aceitou que o trabalho suplementar “tem que ser pago sem recurso a uma carta branca cujo resultado é a normalização de turnos até 16 horas, impostos com regularidade pelos patrões”.

Para o SNMMP, a maratona negocial que decorreu desde sexta-feira entre as 16h00 e a madrugada de hoje, apesar de uma “aparente abertura inicial, redundou uma vez mais na intransigência que a Antram tem revelado em todo este processo, impondo a tudo e a todos a sua vontade”, salienta.

Os motoristas de matérias perigosas cumprem, assim, mais um dia de uma greve por tempo indeterminado, depois de, nesta madrugada, ter falhado um acordo mediado pelo Governo numa reunião que durou cerca de 10 horas.

A paralisação foi inicialmente convocada pelo SNMMP e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), mas este último desconvocou o protesto na quinta-feira à noite, após um encontro com a Antram sob mediação do Governo.

No final do primeiro dia de greve, o Governo decretou uma requisição civil, parcial e gradual, alegando incumprimento dos serviços mínimos que tinha determinado.

Portugal está em situação de crise energética, decretada pelo Governo devido a esta paralisação para evitar que fossem afetados serviços essenciais à população.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sindicato apela à Antram para aceitar proposta articulada com o Governo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião