EUA podem avançar com estímulos à economia

Depois de a Alemanha ter dado um sinal do domingo, foi a vez de Donald Trump dizer que está a analisar várias hipóteses para estimular a economia, como novas reduções em vários impostos.

A administração norte-americana está a estudar a hipótese de avançar com estímulos à economia, incluindo reduções nos impostos sobre os rendimentos de capitais, anunciou esta terça-feira o Presidente dos Estados Unidos. As palavras de Donald Trump surgem poucos dias depois de a Alemanha já ter sugerido que pode seguir este caminho.

Com as principais economias do mundo a darem sinais de abrandamento, os receios dos investidores quanto à possibilidade de uma nova recessão estão a aumentar. Com os dados, também começam a surgir sinais de que os vários governos podem agir para estimular as suas economias.

Esta terça-feira foi a vez de Donald Trump, que tem lançado duros ataques contra o presidente da Reserva Federal (a quem exige que corte a taxa de juro de referência a metade), a dizer que a administração norte-americana já está a examinar propostas para estimular a economia.

Aos jornalistas, Donald Trump indicou que a administração está a avaliar a possibilidade de avançar com reduções em vários impostos, incluindo indexar os impostos sobre os rendimentos de capitais à inflação.

Trump disse que não precisa de passar pelo Congresso norte-americano para aprovar este tipo de mudanças. Desde que chegou a Presidente, Donald Trump já conseguiu fazer passar uma reforma profunda do sistema fiscal, que de acordo com a unidade que analisa as propostas orçamentais no Congresso terá beneficiado de forma desproporcional as grandes empresas e os contribuintes mais ricos.

Apesar deste sinal, Donald Trump fez questão de dizer que a economia norte-americana ainda está “muito longe de uma recessão”. A economia norte-americana abrandou no segundo trimestre do ano, mas continuou a crescer a um ritmo superior a 2%.

O mesmo não aconteceu com a economia alemã, a maior economia da Europa e quarta maior economia do mundo, que entrou em contração no segundo trimestre do ano.

Na sequência desses resultados, o ministro das Finanças da Alemanha disse que o Governo estaria preparado para agir, sugerindo mesmo que poderia avançar com um programa de estímulos de uma dimensão semelhante ao que a economia alemã perdeu durante a crise, cerca de 50 mil milhões de euros.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

EUA podem avançar com estímulos à economia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião