Os motores da economia mundial estão a gripar

Com as economias da Alemanha, Reino Unido e Brasil a encolherem, a China a crescer ao ritmo mais baixo dos últimos 27 anos e os EUA a abrandarem, as nuvens negras estão a cobrir a economia mundial.

Os principais motores da economia mundial estão a ‘gripar’ e fazem antever um final de ano mais complicado do que se pensava. Depois de Estados Unidos e China, as duas maiores economias do mundo, verem as suas economias crescerem menos, agora foi a vez de a Alemanha apresentar uma contração no segundo trimestre do ano. O agravamento das tensões comerciais entre os maiores blocos económicos do mundo, a incerteza quanto ao Brexit e ao futuro político de países como Itália, Espanha, Bélgica e Brasil, assim como a instabilidade na China prometem complicações.

Christine Lagarde avisou no início de abril que 70% da economia mundial estava a abrandar. O Fundo Monetário Internacional cortou as previsões para a economia mundial para 3,5% este ano, Mario Draghi prometeu novos estímulos do BCE e a Reserva Federal já cortou as taxas de juro. Mas o cenário é cada vez mais negro e abrangente. Entre as 20 maiores economias do mundo, só o Japão e Taiwan estão a bater as expectativas. A China teve o seu pior crescimento em 26 anos e a Índia dos últimos cinco.

Europa: Tensões comerciais, Brexit e cada vez maior incerteza política

Depois de o Reino Unido ver a sua economia encolher pela primeira vez em sete anos, esta quarta-feira foi a vez de a Alemanha seguir o mesmo caminho. A contração da maior economia da União Europeia (e quarta maior economia do mundo) no segundo trimestre é um mau sinal, mas pior ainda é o abrandamento do crescimento nos últimos doze meses para 0,4%, o pior desde pelo menos 2014.

A justificação dada é a queda das exportações, o principal motor da economia alemã. Mas a Alemanha e o Reino Unido não estão sozinhos neste barco. Em França, a sexta maior economia do mundo, o crescimento económico abrandou pelo segundo trimestre consecutivo, de valores já de si anémicos. Itália, que tinha saído da recessão no início deste ano, voltou a estagnar. Espanha, que apresentava valores de crescimento mais robustos, viu a economia abrandar para o pior registo do último ano, e a Bélgica foi no mesmo sentido.

Olaf Scholz, ministro das Finanças e vice-chanceler da Alemanha.

O crescimento económico no segundo trimestre já reflete parte da incerteza que está a afetar as decisões de investimento das famílias e das empresas, e também a queda nas exportações motivadas pelas crescentes tensões comerciais com os Estados Unidos e a China. No entanto, há um fator de risco acrescido que tem sido constantemente apontado pelas principais organizações internacionais que pode pesar ainda mais na segunda metade do ano: a incerteza política.

Em Itália, Matteo Salvini saiu da coligação governamental e apresentou uma moção de censura ao Governo italiano, abrindo espaço para a extrema-direita na liderança do país e a uma nova batalha com a Comissão Europeia devido ao orçamento italiano. Em Espanha, a força europeia de Pedro Sanchéz não lhe valeu de muito na formação do Governo e a incerteza sobre o futuro mantém-se, tal como na Bélgica onde não há sequer uma solução à vista. Mas o maior risco poderá ser mesmo o do Brexit. Com data marcada para o final de outubro, Boris Johnson assumiu a liderança do Governo britânico no segundo trimestre a exigir negociações que a União Europeia não está disposta a fazer, e o novo primeiro-ministro britânico já ameaçou uma saída sem acordo.

O Dragão constipou-se e a Ásia sofreu

Há muito que o crescimento da economia chinesa tem vindo a abrandar de taxas significativamente elevadas e o próprio presidente chinês, Xi Jinping, apresentou um plano económico para transformar a economia chinesa, reorientando-a para um modelo mais apoiado na procura interna. Esses novos planos não reduziram a ambição chinesa, que continua a investir pelo mundo fora para criar condições para a sua nova Rota da Seda.

No entanto, a chegada de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos e a guerra comercial que se seguiu está a colocar problemas à economia chinesa, que no segundo trimestre deste ano cresceu 6,2%. Comparando com a maior parte das economias é uma taxa de crescimento robusta, mas para a China é o pior dos últimos 27 anos. E com as tensões comerciais longe do fim e a ameaça contínua dos EUA de aplicarem mais taxas aduaneiras sobre as importações chinesas, o cenário não é de melhoria.

A China enfrenta outro problema que pode colocar mais problemas à sua economia. Os confrontos em Hong Kong, que começaram como um protesto contra uma lei que permitia a extradição de suspeitos de crimes, tornou-se num confronto quase permanente entre a população da região especial económica e está a causar receios aos investidores daquela que é uma das zonas económicas mais importantes para os investidores estrangeiros na continente asiático, numa ilha cuja economia isoladamente é a 35.ª maior do mundo, substancialmente maior que a economia portuguesa, por exemplo.

Protestos no aeroporto de Hong Kong, um dos mais movimentados do mundo, motivaram o cancelamento dos voos nos dois primeiros dias da semana.

Mas China não é um caso único a Oriente. A economia da Coreia do Sul (11.ª maior do mundo) também está a ser castigada severamente pelas tensões comerciais e contraiu 0,4% no início do ano, afetada pela diminuição na procura pelos semicondutores produzidos no país, ficando muito aquém das expetativas dos analistas. A economia da Indonésia (16.ª maior do mundo) também está a crescer menos, e Singapura, um dos principais hubs financeiros da região, contraiu 3,4% no início do ano. Só mesmo o Japão conseguiu contrair a tendência, com o investimento a puxar pelo crescimento económico.

Outra região que está a ser afetada pelo desempenho da economia chinesa é a Austrália, cuja economia acabou por crescer apenas 0,26% no primeiro trimestre do ano, o pior registo desde 2009.

A guerra comercial de Trump provoca danos colaterais

Os Estados Unidos têm vindo a gozar um período de crescimento económico mais robusto desde a administração de Barack Obama. A crise chegou mais rápido e bateu mais forte na maior economia do mundo, mas a recuperação também. No entanto, a guerra comercial que Donald Trump iniciou com a China, também afetou outros países, com a imposição de taxas aduaneiras e o fim de acordos comerciais com décadas.

Nos EUA, o crescimento económico já está a abrandar e no segundo trimestre caiu de 3,1% para 2,1%, levando mesmo a Reserva Federal a avançar com um corte nas taxas de juro, algo que não fazia desde dezembro de 2008, pouco depois da falência do Lehman Brothers e dos resgates a gigantes como a AIG. O presidente da Reserva Federal sinalizou que este corte era mais preventivo (outra novidade) e que iriam continuar a acompanhar a evolução da atividade económica.

No entanto, os sinais vindos da Europa e da Ásia, assim como a continuação das tensões comerciais, enviaram mais um sinal aos decisores políticos. Tradicionalmente os investidores exigem um juro mais elevado por dívida a mais longo prazo, como compensação de assumirem um risco maior de não serem pagos. No caso norte-americano, os juros exigidos pelos investidores para comprar dívida pública a muito curto prazo estão perto de ultrapassar os da divida a 10 anos, indicando que sentem mais receio pelos eventos no futuro próximo.

Este indicador tem as suas limitações, até porque os juros da dívida a longo prazo ainda estão afetados pelo quantitative easing posto em prática pela Reserva Federal — que retirou muitos destes títulos do mercado –, mas nos últimos 50 anos sempre que a economia dos EUA entrou em recessão esta curva inverteu sempre. Só por uma vez a curva inverteu sem que a economia norte-americana entrasse em recessão.

Mas não são só os EUA que estão a ser afetados. O fim do NAFTA e as novas restrições impostas pela administração norte-americana também fizeram danos nas economias mais próximas, como é o caso do Canadá que está a crescer apenas 0,1%, e do México que escapou por pouco a uma recessão no segundo trimestre, mas não conseguiu crescer mais que 0,1%.

A maior economia da América do Sul, o Brasil, também sofreu uma contração de 0,2% no início do ano e vê a atividade económica e o investimento a caírem, e o consumo privado e as exportações a abrandarem, numa altura em que o presidente brasileiro tenta fazer passar reformas difíceis, como a nova legislação sobre as pensões — que levou a protestos nas principais cidades brasileiras –, um vasto programa de privatizações e uma reforma fiscal abrangente. A conjuntura económica motivou o Governo a apresentar um programa de estímulos à economia avaliado em 11,2 mil milhões de dólares.

Jair Bolsonaro venceu as eleições cavalgando uma onda de popularidade contra o PT, mas no Senado brasileiro está longe de ter o apoio que precisa para implementar as reformas que prometeu.

Se a situação não é fácil no Brasil, na Argentina, a segunda maior economia da região, é ainda mais complicada. O presidente Mauricio Macri perdeu as eleições primárias por uma larga margem para o centro esquerda, liderado por Cristina Kirchner, e não se entende com o líder da oposição para aprovar as reformas com que se comprometeu com o FMI. No primeiro trimestre, a economia argentina encolheu 5,8%, mas só na segunda-feira, um dia após as primárias, o peso argentina desvalorizou 30% face ao dólar, atingindo o valor mais baixo de sempre. E o impasse pode manter-se até dezembro, altura em que um novo Governo deve tomar posse.

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Os motores da economia mundial estão a gripar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião