Lagarde diz que 70% da economia global está a travar. Há dois anos, 75% estava a acelerar

A diretora-geral do FMI diz que a economia mundial está num "momento delicado" e que a situação é "precária".

O Fundo Monetário Internacional (FMI) atualiza na próxima semana previsões económicas e Christine Lagarde já começou a sinalizar o sentido das novas projeções. Mais de dois terços da economia mundial está a desacelerar, diz a diretora-geral do Fundo, indicando que a instituição se prepara para rever de novo em baixa a previsão de crescimento mundial.

Em janeiro, o FMI projetou que este ano e no próximo a economia cresceria à volta de 3,5% — “menos do que no passado, mas ainda um crescimento razoável”. “Desde essa altura que a economia voltou a perder dinamismo, como se vai ver na atualização das previsões na próxima semana”, disse Lagarde numa reunião prévia aos Encontros de Primavera que têm lugar em Washington, EUA.

Apenas há dois anos, “75% da economia mundial passava pela experiência de uma retoma. Para este ano, esperamos que 70% da economia mundial experimente um abrandamento do crescimento”.

Apesar disso, o Fundo não vê a possibilidade de uma recessão no curto prazo. Aliás, até aponta para que a segunda metade do ano e o início de 2020 se possa assistir a uma melhoria. Ainda assim estas boas notícias mostram como o clima económico é incerto. “Para ser clara: a recuperação esperada para a segunda metade do ano é precária”.

O Brexit, os elevados níveis de endividamento de alguns países e nalguns setores, as tensões comerciais e alguma instabilidade nos mercados financeiros são aspetos que o FMI classifica como contributos para os riscos em baixa em torno das previsões.

Perante o cenário de maior abrandamento no conjunto do ano face ao previsto ainda há três meses, Lagarde aconselha as autoridades a nível mundial a evitarem passos em falso na condução das políticas económicas em cada um dos países, combinar de forma equilibrada crescimento, sustentabilidade da dívida e objetivos sociais e promover a integração comercial de forma a melhorar o investimento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lagarde diz que 70% da economia global está a travar. Há dois anos, 75% estava a acelerar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião