Economia britânica contrai pela primeira vez em quase sete anos

  • Lusa e ECO
  • 9 Agosto 2019

De acordo com a estimativa rápida do instituto de estatística britânica, a economia britânica contraiu 0,2% no segundo trimestre, pior que as expetativas dos economistas.

O Produto Interno Bruto (PIB) do Reino Unido recuou 0,2% no segundo trimestre, depois de ter crescido 0,5% nos primeiros três meses, informou esta sexta-feira a agência nacional de estatística britânica. É a primeira contração da economia britânica em quase sete anos e acontece imediatamente antes de Boris Johnson ter assumido o cargo de primeiro-ministro britânico.

Com base na primeira estimativa para o segundo trimestre, a agência nacional de estatística britânica (ONS, Office for National Statistics) constata um recuo da economia britânica, pouco depois do Banco de Inglaterra ter revisto em baixa as previsões anuais de crescimento devido ao risco de um ‘brexit’ sem acordo.

O setor industrial foi o mais castigado no segundo trimestre, com uma contração de 2,3%, depois de ter avançado nos primeiros três meses do ano devido à acumulação de existências antes da saída da União Europeia (UE), inicialmente prevista para 29 de março.

O conjunto do setor produtivo do Reino Unido contraiu-se 1,4%, enquanto o setor da construção recuou 1,3%. Os serviços foram o único setor que contribuiu de forma positiva para a economia britânica no segundo trimestre com um avanço de 0,1%.

O cálculo preliminar do PIB do segundo trimestre está abaixo das expectativas da maioria dos analistas, que tinham previsto que a economia estagnasse.

Depois do anúncio da ONS, a libra esterlina recuava 0,34% face ao euro, para 1,0819 euros, e 0,21% face ao dólar norte-americano, para 1,2110 dólares, enquanto o principal índice da bolsa de Londres, o FTSE-100, perdia 0,33%.

No início de agosto, o Banco de Inglaterra reviu em baixa as previsões anuais de crescimento de 1,5% para 1,3%, uma correção que justificou com as tensões comerciais globais e a incerteza provocada pela possibilidade de um ‘Brexit’ não negociado.

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, é partidário de abandonar a UE mesmo sem negociação de condições de saída com Bruxelas, um cenário que segundo o banco central pode desencadear uma recessão no Reino Unido.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Economia britânica contrai pela primeira vez em quase sete anos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião