António Costa confiante que Código do Trabalho passa no Constitucional

  • ECO
  • 23 Agosto 2019

Primeiro-ministro realça "análise criteriosa" que Presidente da República fez à legislação antes da sua promulgação e defende que nova Lei "torna direito ao trabalho mais garantido e seguro".

António Costa não manifestou qualquer preocupação face ao pedido de fiscalização sucessiva da revisão do Código do Trabalho que PCP, BE e PEV vão levar ao Tribunal Constitucional, sublinhando a “análise criteriosa” levada a cabo por Marcelo Rebelo de Sousa antes da promulgação do diploma como ‘garante’ de um documento sólido.

“Agora que o Presidente da República fez uma análise criteriosa e o promulgou, entrará em vigor a 1 de outubro e isso significa que o direito ao trabalho estará mais garantido, mais seguro e que haverá menos precariedade. Se tiverem dúvidas, então o Tribunal Constitucional pronunciar-se-á sobre a matéria”, referiu o primeiro-ministro, em declarações às televisões.

O Presidente da República deu há dias “luz verde” às alterações à Lei Laboral aprovadas no Parlamento entre o PS e os partidos da direita, numa decisão que foi também justificada pela conjuntura. Segundo a explicação publicada no site da Presidência, o abrandamento da conjuntura internacional e o impacto “virtual” que este pode ter em Portugal foi um dos motivos a justificar a promulgação.

Mas Marcelo Rebelo de Sousa não deixou passar a oportunidade para sinalizar aos partidos de esquerda que o alargamento do período experimental um recurso não justifica ao Tribunal Constitucional, referindo que apesar do TC já ter recusado um alargamento de período experimental, as alterações atuais não se enquadram na fundamentação de então.

O Presidente apontou que “não se afigurando que a fundamentação do Acórdão do Tribunal Constitucional n.º 638/2008, de 23 de dezembro, respeitante ao alargamento do período experimental para os trabalhadores indiferenciados, valha, nos mesmos exatos termos, para as duas situações ora mencionadas”, então decidiu promulgar o diploma que altera.

Em reação, o comunista João Oliveira apontou considerar “particularmente negativo que o Presidente da República tenha decidido promulgar [o diploma], não requerendo a apreciação das normas ao Tribunal Constitucional, sobretudo [tendo em conta] que, pelo menos, uma delas foi declarada inconstitucional, com fundamentos que se mantêm inteiramente válidos”.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

António Costa confiante que Código do Trabalho passa no Constitucional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião