PCP e CGTP acusam Governo de exagerar nos serviços mínimos

  • Lusa
  • 23 Agosto 2019

O secretário-geral do PCP considera que o Governo "escolheu um mau caminho" e diz que há "um exagero" dos serviços mínimos. Já o líder da CGTP acusa o executivo de "tentativa de aproveitamento".

Os secretários-gerais de PCP e da CGTP/IN acusaram esta sexta-feira o Governo de exagerar na definição de serviços mínimos face às greves dos motoristas de camiões de substâncias perigosas e dos trabalhadores da companhia aérea de baixo custo Ryanair.

É evidente que há, manifestamente, um exagero em relação aos serviços mínimos“, afirmou Jerónimo de Sousa, após uma reunião entre comunistas e dirigentes da central sindical, na sede do PCP, Lisboa, acerca do futuro pedido de fiscalização sucessiva da constitucionalidade das alterações às leis laborais que vai ser enviado por comunistas, bloquistas e ecologistas ao Tribunal Constitucional.

Segundo o líder comunista, “o Governo subiu para além do chinelo, numa desconfiança clara, aproveitando processos de luta que tinham consequências“, mas “outra componente importante” é, para Jerónimo de Sousa, “os trabalhadores em greve” procurarem “sempre a solidariedade das populações, pois “um processo de greve, para resultar, precisa da opinião favorável, do estímulo, dos portugueses, trabalhadores ou não”.

“Falando por experiência própria, um trabalhador, quando vai para a greve, não o faz de sorriso nos lábios. É o recurso a uma forma superior de luta onde são os primeiros a pagar em termos económicos. A experiência do movimento operário foi sempre a de terem os trabalhadores a primeira preocupação em garantir, por exemplo, que um forno de vidro da Covina (Companhia Vidreira Nacional) se mantivesse em laboração para não cair. Não precisavam da definição de serviços mínimos”, descreveu.

Para o secretário-geral do PCP, “o Governo escolheu um mau caminho, procurando, de certa forma, tentar limitar o direito à greve, um direito de Abril, que a Constituição e os constituintes consideraram importante para integrar o capítulo dos direitos, liberdades e garantias fundamentais”.

“Por isso mesmo, dizemos que o Governo vai por mau caminho quando procura de forma administrativa reprimir e impedir o exercício de um direito fundamental”, concluiu.

O líder da CGTP, Arménio Carlos, também lamentou a “tentativa de aproveitamento do Governo para fazer aquilo que até hoje nenhum Governo de PSD/CDS conseguiu: tentar esvaziar a lei da greve e criar condições para que ela se torne inócua“.

“O Governo está a tentar aproveitar, com o apoio das entidades patronais, para pôr em causa a lei da greve, esvaziando-a. Não é para admirar membros do Governo a dizer que não é preciso mexer na lei da greve quando, na prática, estão a esvaziar o conteúdo da lei da greve. Pura e simplesmente, alargam a conceção de serviços sociais impreteríveis, que são aqueles que têm uma relação direta com a vida das pessoas, a saúde das pessoas. Não se podem aplicar a tudo aquilo que se passa em termos de paralisação”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PCP e CGTP acusam Governo de exagerar nos serviços mínimos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião