Costa diz que ganhava mais há 19 anos como ministro. Defende fim do corte de 5% no salário dos políticos

O primeiro-ministro defende o fim do corte de 5% nos salários dos políticos. “Como ministro, em 2000, levava líquido para casa mais do que como PM”, diz em entrevista ao Expresso.

António Costa, primeiro-ministroGoverno da República Portuguesa

O corte de salários dos políticos e dos gestores públicos resultou de um acordo entre PS e PSD, na altura um dos primeiros pacotes de austeridade assinados por José Sócrates, em maio de 2010. Meses mais tarde, a redução salarial foi estendida aos membros dos gabinetes.

No decreto-lei de execução orçamental, o Governo já deu um passo para terminar com o corte 5% que está a ser aplicado aos salários dos membros dos gabinetes dos políticos, tendo determinado a eliminação gradual desse corte que deverá desaparecer no final deste ano.

Em relação aos salários dos titulares dos cargos políticos mantém-se um corte de 5%, mas António Costa veio dizer, em entrevista ao Expresso [acesso pago], que tem “confiança de que ao longo da próxima legislatura esse último corte irá desaparecer”.

“Sabe que, quando fiz a mudança de casa e andei a arrumar papéis, descobri por mero acaso um recibo de vencimento de quando era ministro da Justiça. E constatei que em 2000 levava líquido para casa mais do que 19 anos depois levo como PM. Ninguém vem para a política para ganhar dinheiro — e se alguém vem e está insatisfeito por isso é bom que desapareça rapidamente da vida política”, defendeu o primeiro-ministro.

“Agora, é evidente que os cargos políticos não podem ser desvalorizados, em nome da dignidade da própria função. E acho que ao longo da próxima legislatura haverá condições para que o último corte de vencimentos seja também eliminado”, antevê António Costa.

Comentários ({{ total }})

Costa diz que ganhava mais há 19 anos como ministro. Defende fim do corte de 5% no salário dos políticos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião