CDS mantém 35 horas na Função Pública no programa eleitoral apesar das críticas

O programa eleitoral dos centristas não prevê o regresso às 40 horas de trabalho na Função Pública. Redução de horário feita pela geringonça foi criticada pelo CDS durante a legislatura.

O CDS foi um dos críticos da redução do horário de trabalho na Função Pública para as 35 horas aprovada em 2016 pelo Governo liderado por António Costa e portanto existia a expectativa de que, no programa eleitoral apresentado agora para o próximo mandato, os centristas defendessem o regresso às 40 horas de trabalho. Mas, o documento tornado público esta quinta-feira não prevê alteração ao horário de trabalho e justifica esta opção com o facto de o partido preferir descer impostos do que aumentar salários dos funcionários públicos.

“A reposição precipitada e não preparada das 35 horas semanais de trabalho gerou falhas graves na dotação de recursos humanos na saúde”, admite o CDS. No entanto, a decisão não passa por uma reversão da medida.

“Por imperativo constitucional, e terminada a situação extraordinária de intervenção externa, a nova imposição de um horário de 40 horas pode apenas fazer-se mediante o proporcional aumento do vencimento dos funcionários públicos. Isto é, tendo em conta a doutrina e jurisprudência constitucional, a reintrodução das 40 horas determina o correspondente aumento salarial da função pública”, explica o CDS.

O partido acrescenta depois que o CDS tem repetido que a prioridade “do ponto de vista da folga orçamental, está na redução dos impostos para todos (incluindo-se, claro, os funcionários públicos), e não no aumento de vencimentos da função pública”.

Conclusão: em matéria de horário de trabalho na Função Pública fica tudo na mesma. Esta decisão surge no programa eleitoral, onde os centristas sugerem uma solução na saúde para colmatar as falhas geradas pela redução do horário de trabalho. “Com o objetivo de garantir a segurança clínica e evitar o burnout dos profissionais, incentivaremos as direções clínicas dos estabelecimentos, através dos instrumentos de gestão já disponíveis, a definir quadros de dotações seguras para os seus serviços, visando o reforço progressivo das contratações em falta“.

A mesma decisão — de não reversão da medida — é também tomada em relação à totalidade da Administração Pública.

Com esta opção o CDS junta-se assim ao PSD. Numa entrevista à TVI a 8 de julho, o presidente do PSD, Rui Rio, também assumiu o compromisso de manter o horário das 35 horas. “A conclusão política a que se chegou é que íamos fazer um esforço para pôr cá fora uma solução que não precisa à cabeça de passar das 35 para as 40 horas“, disse o líder social-democrata, também depois de uma legislatura a criticar a redução do horário de trabalho para os trabalhadores da Função Pública.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CDS mantém 35 horas na Função Pública no programa eleitoral apesar das críticas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião