Analistas afirmam que seguro da Tesla não é ameaça

  • ECO Seguros
  • 1 Setembro 2019

Foi lançado o tão anunciado seguro da Tesla mas não se revela disruptivo nem vai mudar o paradigma dos seguros no curto prazo, dizem analistas do setor.

A Tesla lançou o seguro automóvel que Elon Musk, o criador da marca, havia anunciado em Abril ultimo. Foi agora revelado pela empresa, quando do lançamento da apólice na California, que significa uma redução dos preços para os segurados de 20 a 30%, que as apólices podem ser canceladas ou modificadas a qualquer momento e que o seu pagamento pode ser mensal.

Analistas do Crédit Suisse, que recentemente estiveram numa apresentação da empresa a propósito deste seguro, revelaram ao jornal Reinsurance News que “é mais provável que Tesla se torne parceira de múltiplas seguradoras do que se torne uma formidável competidora no mercado”.

O primeiro sinal de normalidade teve origem num documento da California Department of Insurance, a autoridade reguladora daquele estado norte-americano, onde consta que o programa segurador da Tesla seria assegurado pela State National Insurance Company, uma seguradora subsidiária da Markel Corporation, que já tinha servido de incubadora a outros projetos especiais de outros proprietários.

A Tesla lançou o produto segurador próprio na Califórnia e continua apenas a agir nessa região. Vendendo carros totalmente elétricos, a empresa tem alguns elementos contra o conseguir preços competitivos. Nos Estados Unidos os segurados enfrentam o problema de um veículo da marca ser produto complexo, com tempos de reparação longos e frequentemente com maiores custos, para além da disponibilidade de peças não ser perfeita.

No entanto, a Tesla tem a seu favor que os carros que fabrica serem menos suscetíveis de se tornarem perdas totais em resultado de acidentes. Também o uso pioneiro de telemática pode permitir um conhecimento mais profundo da utilização dos veículos seguros e consequente maior controlo sobre os riscos.

Em conclusão, os analistas citados pelo jornal afirmam que “sempre que um gigante tecnológico entra num setor pensa-se logo em disrupção”, acrescentando que a entrada da Tesla no negócio dos seguros não é uma ameaça maior que outras, de outras origens, que o setor enfrenta.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Analistas afirmam que seguro da Tesla não é ameaça

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião