Cristas quer “bom resultado” nas legislativas. Não abandona liderança do CDS

  • Lusa
  • 3 Setembro 2019

A líder do CDS afirmou que abandonar a liderança do partido está fora de questão, referindo que o objetivo para estas eleições é conseguir "um bom resultado do centro-direita".

A presidente do CDS, Assunção Cristas, põe de parte a possibilidade de deixar de ser líder do seu partido e reafirma que está à espera de ter um bom resultado nas próximas eleições legislativas de 6 de outubro.

Essa é uma questão que eu não me coloco, eu acho que nós vamos ter um bom resultado”, diz a líder do CDS, quando questionada diretamente, em entrevista à Lusa, sobre qual seria a percentagem mínima de votos no seu partido para se manter como dirigente máxima. “A nossa preocupação” – diz – é afirmar “as bandeiras eleitorais” do CDS e “contribuir o mais possível para um bom resultado do centro-direita”.

Assunção Cristas declara que vai continuar o seu trabalho intensamente “para que as pessoas percebam quais são as prioridades e por que é que faz sentido votar no CDS (…) porque representa uma visão diferente, alternativa, uma visão de centro-direita para Portugal”.

A líder centrista não rejeita que há muito trabalho a fazer e que sabe de onde parte: “Temos 18 deputados, sabemos o difícil que é, mas também sabemos que cada eleição é uma eleição. Portanto, o que podemos dizer é que estamos aqui, sim, para o mais possível dar força às nossas bandeiras [mas] isso está nas mãos das pessoas”.

Se as pessoas entenderem que faz sentido baixar impostos, baixar 15% o IRS e baixar os impostos para as empresas para que a economia cresça mais, melhorar as condições para as famílias e ter a natalidade como um grande tema, melhorar as condições para os mais idosos, olhar para o Estado numa visão complementar em que todos os setores são relevantes na saúde, na educação, na área social, por exemplo, tem bons motivos para votar no CDS”, destaca.

Segundo Assunção Cristas, as pessoas têm de ter a certeza de que o seu voto no CDS “para uma política alternativa de centro direita, não é para qualquer outro objetivo”, afirma ainda, sublinhando a “ambição” do CDS em “ir mais longe, libertar as pessoas, as empresas, para que possam construir a sua vida”.

Esta visão do CDS contrasta, segundo a dirigente do CDS, com as propostas à esquerda, onde não consegue “vislumbrar no mundo país onde elas tenham funcionado e onde as sociedades sejam mais prósperas e mais justas”.

A presidente do CDS cita o exemplo dos países nórdicos, nos quais coexiste um Estado social, “com um grande apoio, grande generosidade, mas [também] temos uma economia muito livre, muito aberta e sem gerar obstáculos às pessoas”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cristas quer “bom resultado” nas legislativas. Não abandona liderança do CDS

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião