Banco Comercial do Huambo escolhe Portugal para abrir primeiro escritório internacional

O banco angolano escolheu a cidade do Porto para abrir o seu primeiro escritório de representação a nível internacional. O objetivo é reforçar a sua esfera de ação no exterior.

O Banco Comercial do Huambo (BCH) quer reforçar a relação com os clientes e, ao mesmo tempo, alargar a sua esfera de ação no exterior. Para concretizar o objetivo, a instituição angolana escolheu Portugal para abrir o seu primeiro escritório de representação a nível internacional. O Porto foi a cidade escolhida.

O novo escritório do banco, situado na Rua Arquitecto Cassiano Barbosa, conta com quase dez anos de existência, um capital social de dez biliões de Kwanzas e José Rui Campos Arnaud na liderança. “É o primeiro escritório de representação do Banco Comercial do Huambo e assinala o início da sua internacionalização”, afirma Natalino Lavrador, presidente do conselho de administração do BCH, em comunicado.

“Com a dinamização comercial que o mundo vive à escala global, este escritório de representação irá permitir reforçar a assistência aos nossos clientes empresariais com ligações comerciais fortes com Portugal e o espaço europeu. Irá, também, apoiar os nossos clientes individuais, residentes no exterior de Angola, e que fazem parte da vasta diáspora angolana residente em Portugal e na Europa”, acrescenta o presidente do conselho de administração do banco angolano.

Além disso, o BCH passa, agora, a estar capacitado para “receber os agentes económicos empresariais e individuais que necessitem de acompanhamento e informações sobre a atividade empresarial e comercial em Angola”, lê-se no comunicado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banco Comercial do Huambo escolhe Portugal para abrir primeiro escritório internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião