Este curso do ISEC garante emprego e um salário médio de nove mil euros por mês

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra vai receber, a 30 de setembro, o curso técnico de manutenção aeronáutica. Depois de seis anos de formação, o estudante terá emprego garantido.

O Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC) vai abrir, já a 30 de setembro, o curso técnico de manutenção de aeronaves, uma formação certificada de seis anos que garante emprego e um salário médio que pode alcançar os nove mil euros. É o primeiro na região centro do país e destina-se a preparar técnicos para um mercado mundial que está em rápido crescimento. O valor do curso é de 6.550 euros.

A formação “dará acesso a um mercado com 10% de empregabilidade em todo o mundo e cujos salários médios, por mês, oscilam entre os oito e nove mil euros [brutos]“, lê-se em comunicado.

Durante o primeiro ano, os alunos terão formação teórica em sala de aula para, depois, começarem um estágio remunerado obrigatório de cinco anos numa empresa de manutenção aeronáutica. A OGMA, a Ryanair, a Hi Fly e a Helibravo são algumas das empresas em que os estudantes terão hipótese de estagiar.

Mário Velindro, presidente do ISEC, deixa, desde logo, o aviso: “O curso vai ser muito exigente, uma vez que as condições colocadas, quer pela ANAC [Autoridade Nacional da Aviação Civil], quer pela EASA [Agência Europeia para a Segurança da Aviação], também o são”. O curso é certificado pela ANAC, cumpre os regulamentos da EASE e tem como parceiro aeronáutico a academia de aviação Sevenair.

Vão ser precisos mais de 350 mil novos técnicos na próxima década

O presidente da instituição de ensino superior explica que a abertura do curso de técnico de manutenção de aeronaves foi despoletada pelo crescimento acelerado que a indústria aeronáutica está a sentir.

“A procura de técnicos nesta área e os seus salários estão a aumentar a um ritmo acelerado”, afirma o presidente do ISEC.Pixabay

“Lançámos este curso porque o mercado da aeronáutica é um dos que vai ter um maior crescimento nos próximos anos, quer a nível nacional, quer a nível europeu, quer a nível mundial. A procura de técnicos nesta área e os seus salários estão a aumentar a um ritmo acelerado”, afirma Mário Velindro.

Só a Airbus e a Boeing, os maiores fabricantes do mundo de aviões de longo e médio curso, preveem fabricar 30 mil novas unidades até 2029/2030. Tendo em conta que cada avião requer, em média, uma equipa de 12 técnicos, isso significa que o mercado mundial irá, provavelmente, necessitar de mais de 360 mil novos técnicos ao longo da próxima década.

Mas o que faz um técnico de manutenção de aeronaves?

“Um técnico de manutenção de aeronaves realizada e verifica a manutenção preventiva e corretiva de aeronaves, identificando as suas falhas e eventuais anomalias. Deverá também substituir e afinar, de forma eficaz, o equipamento e os componentes dos sistemas elétricos, mecânicos e estruturais”, explica o ISEC.

Se, depois de saber tudo isto, ficou interessado nas funções e no futuro que se perspetiva para os técnicos de manutenção aeronáutica, poderá aceder ao site do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra e preencher o formulário de demonstração de interesse em frequentar o curso técnico de manutenção aeronáutica, que estabelecerá o contacto entre o ISEC e o interessado.

Questionado pelo ECO sobre o preço do curso, o ISEC avançou que o valor é de 6.550 euros.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Este curso do ISEC garante emprego e um salário médio de nove mil euros por mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião