Quanto vale a etiqueta Made in Portugal nos sapatos?

Segundo um estudo da Católica, o "paradigma mudou" e o facto de um sapato ter a etiqueta a dizer "Made in Portugal" valoriza o preço final em 28%. Consumidores estão a dispostos a pagar mais.

Dez anos depois do lançamento da primeira campanha internacional “The sexiest industry in Europe” — as exportações aumentaram 47% e chegaram a 163 países.APICCAPS (Facebook)

A indústria portuguesa de calçado exportou dois mil milhões de euros, em 2018, para 163 países nos cinco continentes. E uma prova cega mostrou que clientes finais, de várias nacionalidades, estão dispostos a pagar mais pelos sapatos portugueses. Ter a etiqueta a dizer Made in Portugal aumenta em 28% o valor do sapato.

No início do ano, na MICAM, a maior feira internacional de calçado, em Milão, foi feita uma prova cega junto de retalhistas, grossistas, fabricantes, designers, estudantes de moda e clientes finais de 27 nacionalidades. O exercício consistia em confrontar as pessoas com um par de sapatos que valia 100 euros. Mas quando confrontadas com o facto de o calçado ser português o mesmo par de sapato passava a valer 128 euros, explicou Paulo Gonçalves, diretor de comunicação da Associação Portuguesa de Industriais do Calçado Componentes Artigos Pele Sucedâneos (APPICAPS), na apresentação do estudo Plano Estratégico — Cluster do Calçado, da Universidade Católica Porto Business School.

“Muita coisa mudou na forma como a indústria portuguesa de calçado é vista à escala global desde 2005, ano em que outra prova cega revelou um défice de imagem de 30% nos sapatos nacionais, indicando que o preço teria de descer de 100 para 70 euros depois de o cliente ver a etiqueta Made in Portugal”, acrescentou o responsável.

“Os clientes de todo o mundo estão dispostos a pagar mais para calçar sapatos portugueses” e que “há um reconhecimento que os portugueses são bons a fazer sapatos”, corroborou Susana Costa e Silva, investigadora da Porto Business School, responsável pelo estudo. A partir deste estudo foi possível concluir que o calçado português está a ganhar cada vez mais destaque e reconhecimento a nível mundial.

Exportação de calçado aumentou 47%

Dez anos depois do lançamento da primeira campanha internacional “The sexiest industry in Europe” — as exportações aumentaram 47% e chegaram a 163 países, o que significam que passaram de 1,3 mil milhões de euros para mais de 1,9 mil milhões no ano passado. Segundo a APPICAPS, os maiores mercados para o calçado nacional são a Dinamarca (11%), Holanda (6,7%), França (5,1%), Espanha (4,3%) e Alemanha (4,1%).

De acordo com a APPICAPS, que apresentou contas esta sexta-feira, em dez anos foram investidos 6,4 milhões de euros na campanha “A indústria mais sexy da Europa”. Paulo Gonçalves acrescenta que “o resultado do investimento é positivo, uma vez que em cada 14 cêntimos de investimento alavancamos 100 euros na exportação”.

Há um reconhecimento que os portugueses são bons a fazer sapatos e os clientes estão dispostos a pagar mais para calçar sapatos portugueses

Susana Costa e Silva

Investigadora da Universidade Católica Porto Business School

O evento contou com a presença do secretário de Estado da Internacionalização, Eurico Brilhante Dias, que se mostrou bastante satisfeito com os resultados da indústria portuguesa do calçado e do seu posicionamento no mercado internacional. Todavia, considera que “precisamos de valorizar melhor o que fazemos e vender o nosso calçado a um preço superior”.

Brexit e a guerra comercial são um travão ao comércio internacional

Manuel Carlos, presidente executivo da APPICAPS, não deixou passar em branco a instabilidade da conjuntura mundial e destacou que “os mercados estão muito instáveis” e que o “Brexit, assim como a guerra comercial entre os EUA e a China, para além der serem “um travão ao comércio internacional, provocam impactos no setor”. Todavia, destacou que as perspetivas são muitos boas, porque “a indústria do calçado nacional é muito competente e está estrategicamente bem posicionada e perto de grandes mercados”.

Por fim, João Maia, diretor-geral da associação, salientou que, em 2020, será feito um investimento de 17 milhões de euros para continuar a aposta na internacionalização.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quanto vale a etiqueta Made in Portugal nos sapatos?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião