Falta mão-de-obra no setor do calçado. Robôs podem ajudar?

Num setor ameaçado pela escassez crónica de talento, podem os robôs dar uma mãozinha? Os empresários reconhecem as vantagens económicas das máquinas, mas não são adeptos dessa substituição.

A arte centenária de parir sapatos está em perigo. Afinal, dizem os empresários, a mão-de-obra escasseia, o que ameaça o presente e o futuro do setor. E nesse amanhã, poderão os robôs ajudar a colmatar essa falha? Dificilmente, respondem os produtores. Não basta “ter o aspeto”. Há que “ter a forma, o substrato e a mestria”.

Empresários portugueses dizem que “toque humano” jamais poderá ser substituído por robôs, no setor do calçado.ECO

“Será sempre preciso um toque humano. Aliás, esse toque é cada vez mais valorizado pelo público final“, adianta ao ECO o presidente da Associação Portuguesa dos Industriais do Calçado, Componentes, Artigos de Pele e seus Sucedâneos (APICCAPS).

Luís Onofre considera, por isso, que a automação “jamais” poderá tomar conta da indústria em questão, apesar de apontar a “falta de mão-de-obra qualificada” como um dos principais desafios do setor. “O sapato hand maid tem um valor muito especial para o consumidor final”, enfatiza.

João Matos, responsável pela Freeman.Porter partilha a opinião. Ainda que reconheça as vantagens, em termos de rentabilidade financeira, da robotização, o empresário salienta, em conversa com o ECO, que o trabalho manual é, cada vez mais, valorizado pelos clientes internacionais.

“Pelo menos, uma parte da procura só pode ser satisfeita se se for ao encontro, não se pode ir quase ao encontro. Não basta o aspeto. Tem de ter a forma e o substrato”, reforça João Matos, desvalorizando os produtos que somente imitam o trabalho humano.

No extremo desse espetro, estão os responsáveis pela Karisma. Ricardo Lobo e Miguel Silva explicam ao ECO que sofrem “muito” com a escassez de mão-de-obra, sublinhando que “a juventude não quer trabalhar no calçado”. Apesar disso, os empresários não veem os robôs como alternativa… pelo menos não no que diz respeito aos sapatos que produzem. “Depende muito do artigo, do modelo e do conceito da marca”, diz Miguel Silva.

“Somos uma empresa de handcraft technology”

Mesmo que ajudem, robôs não podem substituir os acabamentos humanos, dizem empresários.ECO

Do outro lado da mesma escala, o diretor executivo da Lemon Jelly canta os louvores das máquinas. Ao ECO, José Pinto conta que a própria forma como os sapatos já estão a ser pensados — até no seu design — está já virada para esse tipo de automatização. “A robotização permite simplificar os processos e os custos, bem como criar valor acrescentado”, garante o responsável.

Além disso, reforça o CEO, os robôs podem trazer “competitividade” às empresas portuguesas que se têm de posicionar em “mercados com mão-de-obra intensiva”, como o asiático. Isso ao mesmo tempo que se criam novos postos de trabalho para humanos.

“Trabalhamos muito à base de tecnologia, mas incorporamos sempre muito detalhes feitos por mão-de-obra, o que nos diferencia nos grandes mercados. Costumamos dizer que somos uma empresa de handcraf technology, assinala.

A propósito da criação de novos empregos, Pedro Sampaio, da Dark Collection, explica que a necessidade de técnicos para operar os equipamentos trará à ribalta, mais uma vez, o problema da mão-de-obra. A introdução de robôs facilitará, sim, os processos, aliviando a necessidade de mãos para produzir, mas pressionando a necessidade de mãos para controlar (as máquinas), defende o gestor.

Portanto, Sampaio recomenda: “Temos de ter salários mais competitivos e apelativos, bem como apostar na formação, que é o que a APICCAPS tem feito”. Não basta esperar que a promessa da humanoide Sophia se cumpra e solucione a falta de mão-de-obra, há que atrair mais e mais talento, defende.

De acordo com os dados avançados pela APICCAPS, na última década, foram criados mais de dez mil novos postos de trabalho, no setor do calçado. O emprego cresceu, assim, 20%, mas permanece uma das maiores preocupações do setor, sobretudo no que diz respeito à captação das novas gerações de talento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Falta mão-de-obra no setor do calçado. Robôs podem ajudar?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião