Politécnicos crescem mais que as universidades mas pedem mais ambição

  • ECO
  • 8 Setembro 2019

O número de alunos colocados nos politécnicos na primeira fase de acesso ao ensino superior cresceu a um ritmo mais elevado que o das universidades, mas os politécnicos pedem mais ambição.

Os politécnicos colocaram mais alunos na primeira fase que as universidades, conseguindo também aumentar em 13% o número de alunos colocados em regiões com tendência demográfica negativa. O Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP) está agradado com os resultados, mas diz que é possível ser mais ambicioso.

Com 44.500 alunos colocados na primeira fase, o número de colocados nos politécnicos está a crescer acima da média nacional, ultrapassando assim o ritmo de crescimento verificado nas universidades.

Em comunicado, o CCISP diz que o número de estudantes colocados nos politécnicos aumentos 1,9%, acima da média nacional de 1,2%, e que só nas regiões com menor densidade populacional este número aumentou 13%.

É “uma tendência que se tem vindo a consolidar nos últimos anos (crescimento de 13%) e que revela uma aposta ganha na função democratizadora do ensino superior em todas as regiões do país, com benefícios evidentes para a coesão territorial”, diz o conselho.

Apesar dos bons resultados, o CCISP acredita que é possível ser mais ambicioso. “Sabemos que Portugal percorreu um caminho, nos últimos 40 anos, que nos devemos orgulhar em termos de qualificação. No entanto, o CCISP acredita que devemos e podemos ser mais ambiciosos e ir mais longe e ter uma visão ancorada no lema: ensino superior para todos. Esta é uma aspiração que nos deve guiar enquanto sociedade, sabendo que demorará a concretizar, daí a necessidade de começarmos desde já, mas que é o caminho para um futuro mais sustentável, equitativo e gerador de bem-estar social”, diz Pedro Dominguinhos, presidente do conselho.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

Politécnicos crescem mais que as universidades mas pedem mais ambição

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião