Concorrência condena 14 bancos por cartel no crédito. Multas atingem os 225 milhões de euros

Autoridade da Concorrência condena bancos por troca de informação sobre práticas comerciais internas no crédito ao consumo, habitação e a empresas. Clientes podem processar bancos.

A Autoridade da Concorrência (AdC) acabou de condenar 14 bancos a operar em Portugal por cartelização na fixação de produtos de crédito, tendo aplicado às instituições multas no valor de 225 milhões de euros. O cartel visava a troca de informação sobre práticas comerciais internas no crédito ao consumo, habitação e a empresas e durou mais de dez anos, entre 2002 e 2013, segundo a AdC.

“A prática concertada entre as instituições consistia na troca de informação entre estes bancos relativamente à amplitude do spread aplicado futuramente, mas também relativamente a todas as condições da oferta”, explicou Margarida Matos Rosa, presidente da Autoridade da Concorrência em declarações à RTP. “As condições eram determinadas previamente e tipicamente não deviam ser do conhecimento geral dos concorrentes”, explicou a líder da AdC, uma forma de atuação que prejudicou de forma direta e indireta a vida dos consumidores.

Ao definirem entre si as condições associadas aos empréstimos e ao spread a ser cobrado à economia portuguesa, os bancos envolvidos impediram cidadãos e empresas de obterem benefícios com a situação concorrencial que deveria existir neste setor. Ou seja, o mercado livre que a banca tantas vezes defende publicamente não foi praticado pela mesma banca e isto nos anos que levaram o país à crise. Já segundo a presidente da AdC, os clientes que se sentirem lesados podem avançar para tribunais: “Cada particular ou empresa que se sinta lesado pela prática restritiva da concorrência pode pedir compensação aos tribunais”, explicou à televisão pública.

“Os bancos condenados são o BBVA, o BIC (por factos praticados pelo então BPN), o BPI, o BCP, o BES, o BANIF, o Barclays, a CGD, a Caixa de Crédito Agrícola, o Montepio, o Santander (por factos por si praticados e por factos praticados pelo Banco Popular), o Deutsche Bank e a UCI“, detalha a Autoridade da Concorrência, já em comunicado divulgado ao final da tarde. Mas a multa envolve mais bancos, explica o regulador.

Em relação aos valores, a AdC não divulga individualmente a multa aplicada a cada instituição, referindo apenas que “o montante das coimas aplicadas foi determinado tendo em conta a gravidade e duração da participação na infração por cada banco visado, tendo em consideração os mercados afetados , de acordo com a Lei da Concorrência”.

O regulador explica ainda que “ficou impedida de punir a prática relativamente ao Abanca, também visado na acusação, uma vez que este cessou a prática anos antes dos restantes bancos. Além deste facto, são condenados 13 dos 15 bancos visados pela acusação emitida pela AdC (nota de ilicitude) porque o Santander, entretanto, adquiriu o Banco Popular, ambos visados, tendo assumido as responsabilidades contraordenacionais do segundo”.

A nota da Concorrência explica que nem todas as instituições envolvidas vão ser multadas já que o “primeiro banco a denunciar a infração e a apresentar provas da sua participação na mesma beneficiou de dispensa total de pagamento da coima (clemência)”. Além disso, houve um “segundo banco que recorreu ao regime de clemência, apresentando prova adicional da infração, obteve uma redução de 50% no valor da coima que lhe foi aplicada”.

A visão dos bancos sobre “concorrência”

Segundo a explicação da AdC, os 15 bancos envolvidos na violação da Lei da Concorrência desenharam um esquema de partilha de informação para impedir que a economia portuguesa beneficiasse de melhores condições no acesso ao crédito, situação que terá sido especialmente dura para o país por esta cartelização ter “apanhado” os anos em que o custo de financiamento de particulares e empresas dispararam e os anos em que vários bancos começaram a colapsar.

Conforme descreve o regulador, “neste esquema, cada banco facultava aos demais informação sensível sobre as suas ofertas comerciais, indicando, por exemplo, os spreads a aplicar num futuro próximo no crédito à habitação ou os valores do crédito concedido no mês anterior, dados que, de outro modo, não seriam acessíveis aos concorrentes”. Desta forma, todos os bancos sabiam o que os outros estavam a oferecer aos clientes, “o que desencorajava os bancos visados de oferecerem melhores condições aos clientes, eliminando a pressão concorrencial, benéfica para os consumidores”.

Ou seja, os bancos trocavam ou tinham acesso à informação sobre estratégias de mercado dos “concorrentes”, o que fazia com que todos alinhassem os respetivos comportamentos, “impedindo os consumidores de beneficiarem do grau de concorrência que existiria na ausência de tal intercâmbio”.

Este tipo de atuação contra o mercado livre e concorrencial, explica o regulador, “constitui uma importante restrição da concorrência, proibida pelo n.º 1 do artigo 9.º da Lei n.º 19/2012, de 8 de maio (Lei da Concorrência), e pelo n.º 1 do artigo 101.º do Tratado sobre o Funcionamento da União Europeia”, sendo especialmente grave porque envolve produtos com uma “importância crucial na vida dos consumidores em geral, tanto particulares, como empresas”, que assim foram prejudicados “de forma direta e imediata, uma vez que a prática incidiu sobre segmentos chave da atividade bancária, como são o crédito habitação, o crédito ao consumo e o crédito às empresas”.

No entender da AdC, “esta prática, em alguns casos, durou mais de dez anos, tendo o caráter relevante, estratégico e não público da informação partilhada ficado inequivocamente demonstrado na decisão da AdC”. A Concorrência lembra ainda que no âmbito deste processo procedeu a diligências de busca e apreensão em 25 instalações de 15 bancos participantes na infração, sendo que apesar do “elevado grau de litigância” com que os bancos responderam à atuação, dos 43 recursos apresentados, “só 5 decisões foram desfavoráveis à AdC”.

(Notícia atualizada às 19h10)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Concorrência condena 14 bancos por cartel no crédito. Multas atingem os 225 milhões de euros

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião