Chronopost funde-se com Seur. Investe 25 milhões em novo centro em Lisboa

A Chronopost e a Seur vão finalmente fundir-se e passar a operar sob uma única marca: DPD. O objetivo é entregar 22,5 milhões de encomendas este ano e criar o maior centro de distribuição de Portugal.

A Chronopost e a empresa que detém o franchise da Seur em Portugal fundiram-se e vão passar a operar no mercado nacional enquanto uma só empresa, sob a marca DPD. O anúncio foi feito por Olivier Establet, presidente executivo, que justificou esta estratégia com a “complementaridade” das operações das duas marcas, presentes há três décadas no mercado nacional.

A empresa pretende ainda investir 25 milhões de euros para criar um novo centro de distribuição de encomendas que será “o maior de Portugal” e estará localizado em Lisboa, com conclusão prevista para 2021. Além deste investimento, já foram realizados oito milhões de euros na aquisição de imobiliário e de equipamentos de triagem.

Chronopost e Seur, dois ativos postais com operações focadas no negócio da entrega de encomendas, continuarão a ser controlados pela GeoPost, que é o ramo internacional da empresa de correios francesa La Poste. O grupo tem vindo a uniformizar a marca DPD em toda a Europa, estando já presente em 22 países.

Em Portugal, a recém-criada DPD estima fechar o ano de 2019 com 22,5 milhões de encomendas entregues, 77 milhões de euros de faturação, 1.400 colaboradores e 600 circuitos de distribuição. Trata-se de uma melhoria na capilaridade da rede disponível às duas empresas, na medida em que, segundo o gestor, a Chronopost tinha 400 circuitos de distribuição e a Seur tinha 200 em Portugal.

“Vamos estar em mais locais, mais cedo, a entregar encomendas em todo o país. Mais rapidez ainda. Seremos os primeiros a entregar em mais locais do que já acontece”, disse Olivier Establet, numa conferência de imprensa que teve lugar esta quinta-feira, em Lisboa.

Outro benefício da operação é a uniformização de processos. “Uma das vantagens desta fusão é fazer com que um mais um não seja dois, mas seja igual a três”, ironizou o gestor francês, referindo-se à otimização de recursos.

A fusão da Chronopost e da Seur em Portugal surge num ano em que o mercado da entrega de encomendas em Portugal tem registado particular dinâmica, devido à massificação do comércio online. Em abril, os espanhóis da Correos anunciaram a entrada no mercado português, para concorrer com os correios portugueses CTT.

Apesar de não existirem dados sobre este segmento específico do mercado postal, Olivier Establet garante que, com base em informação pública, a DPD torna-se automaticamente o operador postal que mais encomendas entrega em Portugal. “Consultámos os dados que os concorrentes publicam e quando comparámos com os nossos, sabemos que alcançámos a liderança do mercado”, afirmou.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Chronopost funde-se com Seur. Investe 25 milhões em novo centro em Lisboa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião