Califórnia aprova lei que pode pôr em causa modelo de negócio da Uber

Foi aprovado um projeto de lei que pretende mudar a forma de contratação de empresas como a Uber ou a Lyft. Os trabalhadores vão passar a ser designados "empregados" em vez de "contratados".

A Califórnia aprovou um projeto de lei que pretende alterar os contratos de trabalho de empresas como a Uber e a Lyft. Na prática, os trabalhadores contratados passarão a ser tratados como funcionários da empresas, e não apenas como colaboradores, avança o The New York Times (conteúdo em inglês).

O projeto de lei aprovado esta terça-feira prevê que os trabalhadores devem ser designados “empregados” em vez de “contratados”, quando uma empresa tiver controlo sobre a forma como estes executam as suas tarefas ou quando estas fazem parte dos negócios regulares da própria empresa. Isto aplica-se, sobretudo, a empresas com aplicações, como é o caso da Uber ou Lyft.

O governador da Califórnia, Gavin Newsom, apoia esta mudança, defendendo que as empresas tecnológicas e outros patrões estão a corromper as proteções básicas dos trabalhadores, como o “salário mínimo, os dias de baixa e os seguros de saúde”.

“Os trabalhadores perderam o poder de negociação”, escreveu, num artigo publicado no Sacramento Bee. “Os empregadores escapam da responsabilidade de coisas como compensações aos trabalhadores e subsídio de desemprego”.

A ser aprovada, esta será uma mudança histórica que afetará mais de um milhão de trabalhadores na Califórnia. A deputada californiana Lorena Gonzalez, que propôs o projeto de lei em 2018, escreveu no Twitter que a medida “impediria a classificação errada de quase um milhão” de trabalhadores, permitindo que estes tivessem direito a benefícios de emprego.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Califórnia aprova lei que pode pôr em causa modelo de negócio da Uber

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião