Prova de fogo à Libra. Responsáveis do Facebook vão ser interrogados pelos reguladores

Os responsáveis da criptomoeda que está a ser desenvolvida pelo Facebook vão enfrentar uma prova de fogo esta segunda-feira. Encontro na Suíça coloca a Libra frente a frente com 26 bancos centrais.

Um grupo de responsáveis do Facebook e do projeto Libra vão reunir com representantes de 26 bancos centrais de todo o mundo, onde serão interrogados acerca do projeto para desenvolver uma nova moeda digital global. A notícia foi avançada pelo Financial Times (acesso pago).

O encontro, que terá lugar esta segunda-feira em Basel (Suíça), vai ser presidido por um oficial do Banco Central Europeu (BCE). Representadas estarão também a Reserva Federal norte-americana e o Banco de Inglaterra, entre outros.

Da reunião poderão sair novidades acerca dos planos de Mark Zuckerberg para lançar a criptomoeda Libra, numa altura em que o Facebook mantém a meta de lançamento para o primeiro semestre do ano que vem, ao mesmo tempo que os reguladores exigem mais tempo para analisarem as implicações do projeto para a estabilidade do sistema financeiro mundial.

É por isso expectável que os responsáveis da empresa sejam fortemente criticados pelos bancos centrais, depois de alguns deles já terem afirmado a sua oposição à Libra. De acordo com a Reuters, França e Alemanha já firmaram um acordo para bloquear a utilização da Libra nos respetivos países, o que deverá representar uma barreira aos planos da rede social.

Uma vez que o Facebook pretende que a Libra possa ser usada para pagamentos em algumas das maiores plataformas digitais, num consórcio que engloba empresas como a Visa e a Mastercard, além da luso-britânica Farfetch, levantam-se desde logo questões de caráter concorrencial. Mas não só. Várias entidades oficiais em várias geografias têm levantado questões acerca da segurança da moeda e dos dados que o Facebook pode recolher acerca da vida financeira dos utilizadores.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Prova de fogo à Libra. Responsáveis do Facebook vão ser interrogados pelos reguladores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião