Arábia Saudita vai estar a produzir em pleno no final do mês

A Saudi Aramco foi atacada. Drones afetaram mais de metade da produção da petrolífera estatal, mas as reparações estão em curso. Até ao final do mês a Arábia Saudita volta a produzir em pleno.

A Arábia Saudita viu, de um momento para o outro, metade da produção de petróleo desaparecer, isto depois de um ataque com drones às instalações da petrolífera estatal. O petróleo disparou, chegando a valorizar mais de 20%, mas voltou a afundar com a Saudi Aramco a garantir que irá voltar a produzir em pleno até ao final do mês.

A empresa saudita diz que o ataque teve um “impacto massivo”, mas que rapidamente começou a trabalhar no sentido de restabelecer as operações, uma vez apagados os incêndios provocados pelos drones. O ataque fez tremer os mercados, mas a Arábia Saudita rapidamente avançou que iria recorrer às reservas do país para colmatar a oferta.

A garantia dada pelo reino, bem como por outros produtores, como os EUA, pouco impacto tiveram, assistindo-se a uma subida expressiva das cotações do petróleo nos mercados internacionais na primeira sessão da semana. O Brent chegou aos 72 dólares por barril, mas está novamente abaixo dos 65 dólares, a perder 6,6%. Em Nova Iorque, o WTI recua 5,61% para os 59,37 dólares.

Os investidores estão a reagir à garantia dada pela Saudi Aramco de que os trabalhos de reparação estão a avançar, estimando que dentro de duas semanas seja possível ao país voltar a produzir em pleno. Ou seja, voltará a colocar no mercado cerca de 10 milhões de barris por dia, o que será suficiente para dar resposta à procura.

Tendo em conta a utilização das reservas, a Arábia Saudita afirma que o ataque não se refletirá nas exportações de petróleo deste mês, mantendo-se ao mesmo nível dos anteriores.

Mesmo com a promessa de restabelecer a produção, o reino pede ajuda aos restantes países produtores de petróleo para disponibilizarem reservas, de forma a evitar que os preços do petróleo subam, mas os EUA, que se mostraram disponíveis para o fazer, voltaram atrás. Donald Trump já veio dizer que “não acredita que será preciso” libertar reservas já que os preços não registaram uma subida muito expressiva.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arábia Saudita vai estar a produzir em pleno no final do mês

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião