Hoje nas notícias: rendas, eletricidade e Champions

  • ECO
  • 17 Setembro 2019

Dos jornais aos sites, passando pelas rádios e televisões, leia as notícias que vão marcar o dia.

O crédito ao consumo torna-se mais difícil de suportar pelas famílias, obrigadas a fazer face ao aumento dos encargos com as rendas nos centros urbanos. As importações de eletricidade em Portugal dispararam até agosto, quando comparadas com o ano passado. A Champions, competição de futebol europeia que arranca esta terça-feira, já deu um encaixe de mais de 560 milhões de euros aos clubes portugueses que nela participaram nos últimos dez anos. Veja estas e outras notícias que marcam as manchetes nacionais.

Rendas mais altas levam famílias a falhar pagamento de crédito ao consumo

As famílias estão a ter maior dificuldade no pagamento, e algumas já estão a falhar, das prestações do crédito ao consumo, devido ao aumento das rendas nos centros urbanos, noticia o jornal Público, citando um administrador da intermediária financeira Reorganiza. Segundo João Morais Barbosa, muitos destes créditos ao consumo têm taxas de juro muito elevadas, o que aliado ao aumento pronunciado das rendas das casas nos grandes centros urbanos, está a deixar as famílias em maiores dificuldades.

Leia a notícia completa no Público (acesso pago).

Importações de eletricidade disparam 200% até agosto

Portugal aumentou as importações de eletricidade em 200% nos primeiros oito meses deste ano, face ao mesmo período de 2018. As vantagens competitivas de Marrocos e o parque nuclear francês são alguns dos fatores que ajudam a explicar estes dados, bem como a mudança do sistema de taxação da produção de eletricidade na Península Ibérica. O sentido da interligação Portugal-Espanha pode mudar consoante os preços oferecidos em cada país.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Champions rendeu 565 milhões de euros às equipas portuguesas numa década

A Liga dos Campeões, competição europeia entre clubes de futebol, arranca esta terça-feira apenas com uma equipa portuguesa, o Sport Lisboa e Benfica. Com esta participação os encarnados têm já garantido 42,95 milhões de euros, montante ao qual se somarão prémios pelo desempenho ao longo da prova. Em uma década esta competição já deu aos quatro maiores clubes portugueses que nela participaram um encaixe total de 565,15 milhões de euros, sendo que o Benfica e o Porto ficaram com a maior fatia.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

Transferências para as fundações baixaram 6% para 192 milhões

As transferências para as fundações diminuíram 6% em 2016, com 343 fundações a receberem 192 milhões de euros, transferidos de quase 250 organismos públicos. Os dados são de uma auditoria da Inspeção-Geral de Finanças tornada agora pública, e noticiada pelo Jornal de Negócios, que adianta ainda que 322 fundações declararam ao fisco terem tido direito a benefícios fiscais que reduziram a sua fatura com impostos em 34 milhões de euros.

Leia a notícia completa no Jornal de Negócios (acesso pago).

Médicos de família: mais reformas do que novos especialistas nos próximos quatro anos

Enquanto cerca de 1.800 médicos de família vão terminar a especialização nos próximos quatro anos, o número de possíveis reformas na mesma área ascende aos dois mil médicos. É em 2021 que o pico de médicos de família com mais de 66 anos será atingido, altura em que 522 profissionais poderão deixar o Serviço Nacional de Saúde. “Por mais médicos de família que se formem, nunca se chega a resolver o problema, que nesta altura está muito localizado”, diz Rui Nogueira, presidente da Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar, ao Diário de Notícias.

Leia a notícia completa no Diário de Notícias (acesso pago).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Hoje nas notícias: rendas, eletricidade e Champions

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião