Arábia Saudita culpa Irão pelo ataque às instalações petrolíferas. EUA aumentam sanções

  • ECO e Lusa
  • 18 Setembro 2019

O Ministério da Defesa da Arábia Saudita revelou imagens e vídeos de destroços de drones e mísseis utilizados nas agressões de sábado. Sauditas dizem que tese da culpa do Iémen no ataque é falsa.

O Ministério da Defesa da Arábia Saudita diz ter provas físicas sobre o envolvimento do Irão nos ataques à petrolífera saudita Aramco, entre as quais os destroços de drones e mísseis utilizados nas agressões. Os EUA também têm apontado o dedo ao Irão, que desmente, ameaçando retaliar caso seja atacado. Entretanto, o Presidente dos EUA deu instruções ao secretário de Estado do Tesouro para aumentar as sanções económicas ao Irão.

De acordo com a BBC, o Ministério saudita refere que foram utilizados 18 drones e sete mísseis de cruzeiro nos ataques e de uma direção que não o Iémen. Perante as provas físicas encontradas, o Governo saudita afirma que os destroços provam que os ataques foram “inquestionavelmente patrocinados pelo Irão”. Para comprovar essa tese, em conferência de imprensa foram mostradas imagens e vídeos relativos a alguns destroços, como, por exemplo, asas em forma de delta — uma característica dos drones iranianos, segundo porta-voz do Ministério da Defesa da Arábia Saudita, Turki al-Malki.

Para o executivo saudita o ataque terá partido do Norte do país e não do Sul, onde fica o Iémen. “Este ataque não teve origem no Iémen, apesar de todo os esforços do Irão para tentar passar essa ideia”, disse o porta-voz saudita, acrescentando que “a cooperação do Irão com um grupo na região [os Houthis] está a ser usada para criar esta falsa narrativa”.

O porta-voz referiu ainda que os dados recolhidos pelos aparelhos informáticos incorporados nos drones demonstram que o ataque teve origem iraniana. Estes novos detalhes contrariam a informação confirmada pelos rebeldes iemenitas (Houthis) — que já tinham lançado vários ataques contra a Arábia Saudita como retaliação pela intervenção da coligação liderada pelos sauditas na guerra que o país enfrenta desde 2015 –, de que tinham sido responsáveis pelo ataque.

Irão nega ataque e avisa formalmente EUA de que vai responder a qualquer agressão

Ainda antes da conferência de imprensa desta quarta-feira, e depois de o Irão ter negado qualquer ataque, o presidente dos Estados Unidos da América (EUA) informou, via Twitter, que deu instruções ao Secretário de Estado do Tesouro para aumentar as sanções económicas ao Irão.

Esta não é a primeira vez que os EUA impõem sanções ao país iraniano desde que saíram do acordo nuclear, situação que tem vindo a afetar a moeda do Irão, com preços mais altos e escassez de produtos, refere a Bloomberg. Perante a escalada de tensão entre os dois países, o Irão tem vindo a reduzir os seus compromissos no acordo e reitera que não abrirá espaço a negociações sem o alívio das sanções.

Apesar de Donald Trump não ter culpado diretamente o Irão pelos ataques de sábado, Mike Pompeo e outros oficiais norte-americanos consideraram que a localização dos drones e armas sugerem que o ataque não tenham sido lançado do Iémen, posição agora fortalecida com as informações do Ministério da Defesa Saudita.

Numa nota oficial publicada esta manhã na imprensa iraniana, o Executivo iraniano adverte que tomará uma “resposta imediata” caso haja algum ataque por parte dos EUA. “Caso venha a ser levada a cabo qualquer ação contra o Irão haverá uma resposta imediata e o alcance da resposta não se vai limitar a uma ameaça”.

Na segunda-feira, foi enviado um documento por parte das autoridades de Teerão à representante dos interesses norte-americanos na embaixada da Suíça na capital do Irão, visto que os Estados Unidos não têm relações diplomáticas com a República Islâmica. Na carta, o governo iraniano sublinha que os ataques contra a Aramco “não foram obra do Irão”, condenando e desmentindo as acusações.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Arábia Saudita culpa Irão pelo ataque às instalações petrolíferas. EUA aumentam sanções

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião