Como um estendal pode ajudar a pagar a renda em Alfama? Com publicidade

  • ECO
  • 19 Setembro 2019

As marcas vão oferecer aos habitantes de Alfama peças com publicidade que estes deverão colocar nos estendais. Em troca haverá compensações financeiras.

Como é que usar um estendal para publicidade pode ajudar os habitantes de Alfama a suportarem o aumento das rendas? A resposta é simples: cada vez que estenderem peças publicitárias, os habitantes recebem em troca benefícios económicos, como por exemplo vales de compras para usar em supermercados.

Entre 2015 e 2017, de um total de 150 apartamentos que foram comprados numa rua de Alfama, a maioria foi convertida em alojamento turístico e os restantes “permaneceram vazios, tendo sido objeto de sucessivas vendas”, concluiu um estudo do Instituto de Geografia e Ordenamento do Território da Universidade de Lisboa.

Outro estudo, da Confidencial Imobiliário, mostrou que, entre o primeiro semestre de 2013 e o final de 2018, os preços das casas no centro histórico de Lisboa aumentaram 134%. “Devido à valorização dos imóveis, os moradores da zona histórica estão a ser expulsos das suas casas para dar espaço ao turismo e ao alojamento local”, refere a campanha “Estende a Renda“, pensada pela agência criativa NOSSA, e que arranca esta quinta-feira. Os que resistem veem o valor das rendas disparar.

O objetivo da campanha é ajudar os habitantes de Alfama a suportarem os custos dos aumentos das rendas, em troca de publicidade para as marcas. Ou seja, os moradores devem pendurar nos seus estendais peças com publicidade a certas marcas e, em contrapartida, recebem benefícios financeiros.

A primeira marca a arrancar com esta campanha é o Minipreço, que vai oferecer aos habitantes um kit com várias peças — lençóis, fronhas, t-shirts, etc. — com mensagens publicitárias a certos produtos, e que estes deverão estender nos seus estendais. Em troca, o Minipreço oferece, a cada duas semanas, um vale de 50 euros para usar em compras nas suas lojas. Ou seja, no final do mês as famílias receberão 100 euros.

Campanha Alfama Minipreço

Os interessados em participar devem inscrever-se neste site e, após confirmação, irão receber o kit com as várias peças que deverão estender. Não haverá um controlo exaustivo, adiantou ao ECO fonte do Minipreço, mas a APPA – Associação do Património e População de Alfama irá certificar-se de que as pessoas cumprem, dentro da normalidade, os requisitos.

A campanha arranca esta quinta-feira, no bairro de Alfama, mas deverá estender-se a outros bairros típicos de Lisboa. Relativamente às empresas associadas, para já começa com o Minipreço, mas em breve juntar-se-ão muitas mais.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Como um estendal pode ajudar a pagar a renda em Alfama? Com publicidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião