Grupo Radisson traz marca RED para Portugal. Lisboa e Porto vão ter dois novos hotéis em 2021

A cadeia hoteleira norte-americano vai trazer uma nova marca para Portugal, inaugurando dois novos hotéis, no Porto e em Lisboa. Unidades deverão abrir portas em 2021.

As duas principais cidades do país vão ganhar novos hotéis. O Grupo Radisson vai estrear a marca Radisson RED em território nacional e o pontapé de saída será feito em 2021, com a abertura de duas novas unidades hoteleiras em Lisboa e no Porto, às quais se somará uma terceira em Viena.

As aberturas do Radisson RED Lisbon Olaias, do Radisson RED Porto e ainda do Radisson RED em Viena estão inseridas numa “parceria estratégica e franchisada com o promotor e operador Value One Hotel Operations”, anunciou o grupo esta sexta-feira, em comunicado.

Grupo Radisson

Em Lisboa, o novo hotel deverá abrir portas em 2021, e contará 290 quartos, um OUIBar + KTCHN, um ginásio e uma piscina no terraço. Já no Porto, mais concretamente em Vila Nova de Gaia, a capacidade será de 278 quartos e a abertura acontecerá no mesmo ano. A unidade de Viena, que será a segunda na capital austríaca, tem inauguração prevista em 2023.

“A importância de Portugal como destino de viagem está a crescer e estamos entusiasmados em expandir as nossas operações com dois novos hotéis fantásticos neste mercado atrativo”, diz Karl Bier, managing partner de Value One Hotel Operations, citado no documento.

Com sede na Áustria, a Value One Hotel Operations é uma joint venture entre a divisão hoteleira da Value One Holding e a administradora alemã de investimentos imobiliários da Arbireo Capital, a Arbireo Hospitality. Este acordo — que representa três propriedades e quase 800 quartos — leva o portefólio de Radisson RED até 23 propriedades e mais de 4.500 quartos em funcionamento ou em desenvolvimento.

Estas novas aberturas fazem parte do plano do Radisson Hotel Group de diversificar o seu portefólio na Europa — com base na posição de liderança do Radisson Blu como a maior marca de hotel de luxo em todo o mundo.

Para a secretária de Estado do Turismo, “ter a marca Radisson RED pela primeira vez em Portugal mostra que o nosso país está a posicionar-se cada vez mais como um destino privilegiado de investimento em turismo”. Citada em comunicado, Ana Mendes Godinho acrescenta que estes dois novos hotéis “vão reforçar ainda mais a atratividade de Portugal e criar novos postos de trabalho nestas regiões”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Grupo Radisson traz marca RED para Portugal. Lisboa e Porto vão ter dois novos hotéis em 2021

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião